Matriz de sanguessugas está no Ministério da Saúde, diz Alckmin

O candidato da coligação PSDB/PFL à Presidência da República, Geraldo Alckmin voltou a criticar a corrupção no governo Lula, afirmando que os deputados hoje envolvidos na venda fraudulenta de ambulâncias com recursos do Orçamento da União "são filial da corrupção, cuja matriz está no Ministério da Saúde".Ele chegou ao Palácio Piratini, na capital gaúcha, para um encontro com o governador Germano Rigotto (PMDB), que tem dito que ficará neutro nesta eleição. O candidato tucano criticou o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, que divulgou estudo da Controladoria Geral da União, que o maior número de contratos feitos pela Planam, a empresa que fechou cerca de 900 contratos de venda fraudulenta de ambulâncias para prefeituras, foi firmado no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso. Segundo Alckmin, o governo está usando a máquina do na tentativa de se livrar de acusações de envolvimento em atos de corrupção. "Antes, o PT dizia que era único partido honesto. Agora, quer dizer que somos todos iguais", observou. "Nós não somos todos iguais, eu não aceito isso. Nós somos muito diferentes".Além de Rigotto, Alckmin vai procurar, ainda hoje, outras lideranças do PMDB gaúcho, entre elas o senador Pedro Simon, em busca de adesões da ala não governista do partido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.