Google Stree View
Google Stree View

Médica acusada por mortes em UTI pode receber R$ 4 milhões de indenização do hospital

Virgínia Helena Soares de Souza deve entrar com ações também contra o Estado e a União

Julio Cesar Lima, Especial para o Estado

21 de junho de 2017 | 17h43

CURITIBA - Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 9ª Região decidiu que o Hospital Evangélico de Curitiba (PR) terá que pagar indenizações trabalhistas, que podem chegar a R$ 4 milhões, à médica Virgínia Helena Soares de Souza, que foi demitida da instituição.

Recentemente ela foi inocentada da acusação de ter acelerado a morte de 7 pacientes da Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Virgínia trabalhou no hospital durante 26 anos em situação de Pessoa Jurídica e após sua prisão, o HE a afastou e passou a pagar um valor como auxílio.

O advogado da médica, Guilherme Assad de Lara, afirmou que se conseguiu provar o vínculo da médica com o HE. "Ela era pessoa jurídica e emitia notas, conseguimos comprovar o vínculo de emprego, agora vamos discutir os valores", comentou.

A direção do Hospital Evangélico afirmou que não vai comentar o caso, já que aconteceu durante a gestão anterior.

A médica deverá receber indenizações relativas ao FGTS, férias, adicional noturno e 13°. Salário.

Logo após a absolvição de Virgínia, no começo do ano, a defesa da médica já havia alertado, em coletiva de imprensa, a intenção da médica entrar com ações também contra o Estado e a União por causa do dano causado à sua atividade e imagem.

Mais conteúdo sobre:
TRTUTIFGTSSalárioUnião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.