Médico acusado de assassinar 13 crianças é preso

O médico Anísio Ferreira de Sousa, acusado de participação no assassinato de 13 crianças na cidade de Altamira (PA), continua preso na Central de Custódia de Imperatriz, distante 540 quilômetros de São Luís. O juiz Luiz Ernane Ferreira Malato, da 3ª Vara Criminal da Comarca de Altamira, havia decretado prisão preventiva de Sousa, acusado de integrar uma quadrilha especializada em assassinato de menores para tráfico de órgãos.Membro da seita Lineamento Universal Superior (LUS), chefiada pela médium paraense Valentina Andrade, Sousa também é acusado de, após assassinar e violentar sexualmente as crianças, utilizar os seus órgãos genitais em rituais satânicos.Proprietário do Hospital e Maternidade do Povo, o médico que adotou o slogan "Parto a prazo, bebê à vista" foi preso segunda-feira pelo delegado Josenildo Ferreira, da Delegacia de Homicídio de Imperatriz. Há denúncias de que Sousa tenha participado de outros crimes nos Estados do Paraná, Goiás e Espírito Santo.Sousa é bem relacionado em Imperatriz e ganhou notoriedade quando passou a fazer atendimentos em sua clínica, na área de ginecologia e obstetrícia, a preços populares. Segundo relatos da Polícia Civil, o médico chegou a atender gratuitamente presos e policiais da Central de Custódia de Imperatriz. Há dois anos, ele encabeçou campanhas de arrecadação de donativos para familiares de presos da Central. Em dezembro do ano passado, colaborou com a campanha "Natal Ecumênico", que consistia na troca de uma consulta por cinco quilos de alimentos não perecíveis.O médico é suspeito de estar envolvido em vários crimes que abalaram a cidade de Altamira. O Comitê em Defesa da Vida das Crianças Altamirenses chegou a enviar dossiê ao Ministério da Justiça, em Brasília, pedindo a prisão dos envolvidos. As investigações sobre as atividades do médico vão continuar nos próximos dias. A Central de Custódia de Imperatriz encaminhou as denúncias aos representantes do Ministério Público Estadual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.