Médico boliviano é acusado de falsidade ideológica

O médico boliviano Medardo Gusmán Artezana, residente em Ribeirão Preto, foi preso por volta de 9h30 de hoje, em Morro Agudo, por representantes do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) acusado de falsidade ideológica. Ele clinicava sem registro profissional. O delegado João Batistussi Neto tomou o depoimento do médico, que foi preso na cadeia de Orlândia. Ele teria confirmado a acusação. Artezana é formado em Medicina na Bolívia, mas não tem registro em organismos brasileiros. Esta é a segunda vez que o médico é preso pelo mesmo motivo. A primeira vez foi em 2004, quando foi flagrado trabalhando em Pitangueiras, também na região de Ribeirão Preto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.