Médico brasileiro pode pegar até 20 anos de cadeia nos EUA

Em entrevista coletiva na Delegacia de Framingham, na sexta-feira, 18, a promotora do condado de Middlesex, Martha Coakley, divulgou o laudo da perícia realizada pela polícia estadual de Massachusetts, confirmando que a goiana Fabíola B. De Paula, de 24 anos, morreu de embolia pulmonar durante uma cirurgia de lipoaspiração realizada ilegalmente no porão de um apartamento na cidade. Com o resultado da perícia, o médico Luiz Carlos Ribeiro, de 49 anos, e sua mulher, Ana Maria Miranda Ribeiro, da mesma idade, vão responder por homicídio em primeiro grau e por prática ilegal da medicina no país.A promotoria pretende pedir para o casal a condenação de 20 anos de reclusão. "Esta é a pena máxima que temos no estado. Depois ele passa a ser um problema do Brasil. Mas antes, porém, ele deverá cumprir aqui nos Estados Unidos a pena que lhe for imposta", disse Martha.De acordo com as investigações do detetive responsável pelo caso, Michael Esposito, "as brasileiras utilizavam os serviços de Luiz Carlos Ribeiro pelo preço baixo que ele cobrava e pela facilidade da língua". Martha Coakley acrescentou que a polícia e a promotoria começaram desde a morte de Fabíola de Paula um trabalho de conscientização da comunidade brasileira em todo o condado. "Nós sabemos que a prática da lipoaspiração é comum no Brasil. Mas as pessoas precisam saber que as leis de Massachusetts têm que ser respeitadas. Estamos tentando, através dos programas de rádio e jornais brasileiros locais, mostrar os riscos desnecessários que as pessoas correm."Segundo a promotora, a polícia deverá agora aumentar a vigilância sobre as clínicas de cosméticos que funcionam em Massachusetts, que podem ser uma porta aberta para a prática da medicina ilegal. "Nós sabemos que as brasileiras recorrem a muitas dessas clínicas e acabam utilizando serviços que não podem ser executados sem a licença do estado", afirmou Martha.As polícias de Framingham e a estadual conseguiram também provas de que Luiz Carlos e Ana Maria Ribeiro obtinham de forma fraudulenta narcóticos para os procedimentos de anestesia e cirurgia. Ribeiro e a esposa estão presos desde 31 de julho com fiança estimada em US$ 250 mil para ele e US$ 50 mil para ela. Mas os valores podem ainda ser alterados com as novas evidências contra o casal. A próxima audiência diante do juiz está marcada para o dia 25 de agosto. Os dois acusados estão sendo acompanhados por um defensor indicado pela Corte. Após a morte de Fabíola, a polícia de Framingham passou a ter um serviço de recebimento de denúncias bilíngüe (inglês e português). "Queremos estimular as pessoas a denunciarem os abusos contra o ser humano em nossa cidade", concluiu Martha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.