Médico é preso ao tentar fraudar prova

A concorrência entre os médicos parece não ter limites. Para obter de qualquer maneira o título de especialização em Cancerologia, que poderia abrir as portas para vários convênios de saúde e ampliar o número de clientes, o médico paulista Maurício Guedes, de 36 anos, não teve qualquer escrúpulos para arrombar, anteontem, a sede da Sociedade Brasileira de Oncologia, situada no Bairro da Pituba, orla marítima da capital baiana e tentar roubar um disquete com as questões da prova de especialização. Ele acabou descoberto e preso junto com a parceira Rosângela Secco, 43 anos, que portava uma carteira falsa de sócia da entidade. Guedes e Rosângela que moram em Santos (SP), viajaram para a capital baiana com o único objetivo de se apossar do disquete da prova elaborada na Bahia, embora o exame esteja marcado para ser realizado no dia 16 de setembro em Florianópolis (SC). A dupla contratou um chaveiro se fazendo passar por diretores da Sociedade de Oncologia e o orientou a abrir a porta da sede na noite de anteontem. No entanto, o zelador do prédio, Josenil Macedo de Lima desconfiou da história e chamou uma radiopatrulha cujos policiais militares prenderam os dois e os conduziram até a Delegacia de Repressão e Estelionato e Outras Fraudes.Para o delegado Roberto Dias Alves, o médico admitiu que sua intenção com o disquete fraudar a provar e obter o título de especialização. Os dois acusados foram transferidos para o Presídio de Salvador mas podem ser libertados pagando a fiança que será arbitrada pela Justiça pois cometeram um crime afiançável.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.