Médico pedófilo beneficiado com regime semi-aberto

Condenado a 99 anos de prisão em regime fechado, o médico Eugênio Chipkevitch, que abusou de vários pacientes adolescentes, em seu consultório, recebeu do STJ (Superior Tribunal de Justiça), na sexta-feira, o benefício da progressão de pena. Assim, poderá cumprir parte de sua pena em regime semi-aberto. De acordo com decisão do ministro Gilson Dipp, a Vara de Execução Penal determinará a partir de quando ele irá receber esse benefício. Preso deste março de 2002, quando foi protagonista de um escândalos envolvendo famílias das classes média e média alta, Chipkevitch, era especialista em atendimento médico a adolescentes, Numa lixeira foram encontradas fitas de vídeo gravadas por ele, onde era vista cometendo atos libidinosos com pacientes em estado letárgico, graças a sedativos aplicados pelo médico. Foi condenado por crime hediondo e deveria cumprir sua pena total em regime fechado. Condenado por atentado violento ao pudor inicialmente a 124 anos de prisão, teve a pena reduzida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo para 99 anos. Depois, aproveitando decisão do STJ de inconstitucionalidade da lei de crime hediondo, o que faz com que cada caso seja analisado individualmente para verificar a possibilidade ou não do benefício de progressão de pena, a defesa apelou e recebeu parecer favorável do ministro Dipp para seu habeas-corpus.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.