Médicos ameaçam parar dia 10 no Rio por atraso de salários

Cerca de 90% dos plantonistas dos hospitais Lourenço Jorge e Miguel Couto são cooperativados

Ricardo Valota, do estadão.com.br,

05 Fevereiro 2009 | 03h50

Os médicos cooperativados que trabalham nas principais unidades municipais de saúde do Rio ameaçam entrar em greve a partir do próximo dia 10 caso os salários dos últimos meses não sejam depositados em suas contas.   Em reunião ocorrida na terça-feira, 04, com a direção do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro (Cremerj), a categoria discutiu a pauta de reivindicações, entre elas "a definição de uma forma legítima de contratação destes médicos pela Prefeitura".   Cerca de 90% dos plantonistas das emergências dos hospitais Lourenço Jorge e Miguel Couto são cooperativados. Segundo Luís Fernando Moraes, presidente do Cremerj, alguns médicos não recebem salário há quatro meses.   A Secretaria Municipal de Saúde informou que na segunda-feira, 2, foi feito o pagamento de R$ 2,3 mi à cooperativa. O valor, segundo a secretaria, corresponde aos salários de novembro e dezembro do ano passado.

Mais conteúdo sobre:
Saúde pública médico hospital Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.