Hospital Geral de Nova Iguaçu
Hospital Geral de Nova Iguaçu

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Médicos confirmam morte cerebral de criança atingida por bala perdida no Rio

Vitor Gabriel Leite Matheus, de 3 anos, foi atingido por tiro na cabeça enquanto brincava com os irmãos em casa, em São João de Meriti; Vítor é a nona criança atingida por uma bala perdida no Estado este ano

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

02 de novembro de 2017 | 15h03
Atualizado 03 de novembro de 2017 | 16h51

RIO - O Hospital da Posse, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, confirmou nesta quinta-feira, 2, a morte cerebral de Vitor Gabriel Leite Matheus, de três anos, atingido por um tiro na cabeça enquanto brincava na sala de casa na tarde de segunda-feira, 30 de outubro, em São João do Meriti, na Baixada Fluminense.

+++ Apreensão de fuzis no Rio sobe 75% e se aproxima de número do ano passado

Segundo o diretor do hospital, Joé Sestello, a família decidiu doar os órgãos do menino. Vítor é a nona criança atingida por uma bala perdida no Estado este ano. O caso foi registrado na 64ª DP (São João de Meriti). De acordo com a  o comando do 21º BPM (São João de Meriti), não havia nenhuma operação ou ocorrência no local.

A criança brincava com os irmãos dentro de casa quando foi atingida. O pai ouviu um estrondo e achou que uma das crianças tinha caído no chão. Mas encontrou o menino com a cabeça ensanguentada. Segundo Anderson de Oliveira, o tiro teria entrado pelo telhado.

"Ele estava no sofá de casa, vendo TV com os irmãos mais velhos (dois gêmeos de 7 anos). Eu havia chegado em casa, entreguei um remédio que havia trazido para minha mulher e tinha acabado de sentar na sala. Ouvi um estrondo, um barulho semelhante à explosão de uma bexiga, e vi o Vitor caído, sangrando", conta o pai de Vitor, o pedreiro Anderson Neves de Oliveira, de 56 anos. "Achei que ele tivesse caído, batido a cabeça em alguma ponta do sofá e por isso estivesse ferido."

Oliveira disse que não sabe o que pensar do episódio.

"Estou com muita raiva e muita tristeza e sei que nunca vou descobrir o autor desse disparo", prevê Oliveira, que é pai de quatro filhos. Além de Vitor, que complearia 4 anos em 1º de janeiro, e dos dois gêmeos de 7 anos, tem uma filha de 1 ano e 4 meses.

Ontem, desesperado, ele havia feito um desabafo: “Peço aos bandidos que guardem as suas armas e não disparem tiro à toa, pois a munição que vai para o alto tem que cair em alguma lugar. Assim como caiu na cabeça do meu filho, a bala pode atingir outra criança ou adulto."/COLABOROU CONSTANÇA REZENDE E FABIO GRELLET

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.