Médicos salvam a vida de bebê após mãe ser assassinada

Grávida de gêmeos, mãe foi morta 20 minutos antes da cesariana, mas uma das crianças não sobreviveu

Eduardo Kattah, O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2008 | 10h31

A ação rápida de equipes do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) de Montes Claros (MG) salvou no final da noite de terça-feira, 19, a vida de uma criança do sexo masculino, com sete meses de gestação. A mãe do recém-nascido, uma jovem de 24 anos - grávida de gêmeos -, havia sido assassinada cerca de 20 minutos antes do parto por um menor de 17 anos. A outra criança não sobreviveu.   A dona de casa Cristiane do Carmo Silva estava em casa, no bairro Vargem Grande II, quando o menor - seu ex-namorado - chegou por volta de 22h50 pedindo que ela entregasse um documento que seria dele. Com medo, Cristiane não quis recebê-lo e entregou o documento por baixo da porta. O menor quebrou o vidro da janela e entrou na residência. A jovem correu para o banheiro, mas foi atingida na cabeça por uma bala que transfixou a porta.   O Samu foi chamado por um irmão da vítima. Duas equipes se deslocaram para o local. "Quando chegamos lá ela já estava morta, mas ao virar o corpo de barriga para cima, percebemos que um neném ainda estava mexendo e então decidimos abrir no local do homicídio", contou na quinta-feira, 21, o cardiologista Daniel Silva Ramos, que participou da ação.   A cesariana foi feita pelo médico Sérgio Barcalla Jorge. "Quando tiramos, vimos que um bebê não respirava mais, estava em óbito mesmo. Mas o outro estava com o coração batendo devagar, querendo respirar", lembrou Ramos. O recém-nascido foi levado para o Hospital Universitário Clemente Faria. Até o final desta tarde, ele permanecia internado na UTI neonatal, em observação. Seu quadro era considerado estável.   O caso emocionou policiais, populares e, principalmente, os profissionais do Samu. "Foi muito emocionante, juntou muita gente. Foi uma sensação muito boa", disse o médico. Para Ramos, trata-se de um episódio atípico na literatura médica. "Pelo que descrito na literatura da medicina, o tempo máximo para o parto de salvamento gira em torno de cinco a sete minutos após o falecimento da mãe". O bebê passou a ser chamado de Sérgio pelos funcionários do hospital, em homenagem ao médico que realizou a cesariana.   Polícia   O menor foi apreendido no final da manhã de quarta-feira, 20, quando tentava fugir da cidade em um táxi. No depoimento, ele alegou que manteve um relacionamento de oito meses com Cristiane, mas ela decidiu voltar para o ex-marido, que a ameaçava. O menor disse que não pretendia matar a ex-namorada, mas tirar satisfação com seu novo companheiro. O autor do crime foi internado no Centro de Reeducação de Montes Claros.   Atualizado às 19 horas para acréscimo de informações.

Mais conteúdo sobre:
mãe assassinada

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.