Médicos sem Fronteiras negam ter feito manual de segurança

Cartilha foi elaborada pelos próprios profissionais durante a realização de uma das oficinas de capacitação

Agência Estado

31 de julho de 2008 | 20h25

A organização Médicos Sem Fronteiras negou nesta quinta-feira, 31, que tenha elaborado um manual de segurança para médicos, enfermeiros e auxiliares do Rio que trabalham em áreas de risco, como informou a prefeitura. Segundo Eric Stobbaerts, diretor executivo do grupo no Brasil, a cartilha mencionada na quarta-feira, 30, pelo Estado foi elaborada pelos próprios profissionais durante a realização de uma das oficinas de capacitação em gestão de risco que é ministrada em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde. Segundo os Médicos Sem Fronteiras, o trabalho é feito com equipes do Programa de Saúde da Família e com profissionais que atuam com população de rua.   "É importante ressaltar que a oficina não é um trabalho realizado exclusivamente no Rio de Janeiro, já tendo sido promovida em outros munícipios do Rio, como Duque de Caxias e Teresópolis, e estados como Minas Gerais e Rio Grande do Sul", afirmou Stobbaerts.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.