Médicos vão avaliar se jovem agredido com taco terá sequelas

Sedativos estão sendo retirados gradativamente para avaliação clínica, mas estado de rapaz ainda é grave

Priscila Trindade, Central de Notícias

25 de dezembro de 2009 | 13h57

A equipe médica que atende o designer Henrique de Carvalho Pereira, de 22 anos, agredido com um taco de beisebol dentro de uma livraria em São Paulo, começaram a retirar nesta sexta-feira, 25, os sedativos do paciente.

 

Segundo o hospital, o estado Pereira ainda é considerado grave e ele continua internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) respirando com ajuda de aparelhos.

 

A partir de agora, será possível avaliar se o jovem ficou com sequelas. Ele foi atingido na cabeça por um taco de beisebol na última segunda-feira, 21. O designer já passou por duas cirurgias para retirar coágulos de sangue no cérebro.

 

De acordo com a polícia, Alessandre Fernando Aleixo, de 38 anos, usou o taco para golpear a vítima. Aleixo foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio e levado ao 78º Distrito Policial (DP), nos Jardins.

Tudo o que sabemos sobre:
livrariaagressãoSPtaco de beisebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.