Medo de água fria

Ninguém entendeu, nem o PMDB que tem o vice-presidente da República, por que a presidente Dilma Rousseff resolveu manter Alfredo Nascimento no cargo depois de ter demitido, à revelia, o segundo escalão do Ministério dos Transportes sob suspeita (forte) de corrupção.

Dora Kramer, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2011 | 00h00

Aventaram-se algumas hipóteses, mas nenhuma delas dá como certa a permanência do ministro. No gabinete do vice Michel Temer houve uma reunião ontem, cuja conclusão foi a seguinte: se a imprensa reservar a Nascimento 10% do tratamento conferido a Antonio Palocci na crise, o ministro não dura até sexta-feira no posto.

Depois de ter deixado Temer sem informação até meia hora antes da demissão de Palocci e ter tentando se redimir ao consultá-lo sobre a nomeação de Ideli Salvatti, Dilma de novo deixou seu vice no ar.

Ele não sabia dizer o que acontecera aos correligionários que correram a ele atrás de explicações não só sobre a permanência, mas principalmente para a nota expressando confiança no ministro que desde o governo Lula comanda a pasta onde o superfaturamento de obras, para dizer o mínimo, corre solto.

Esquisito mesmo, já que a demissão da cúpula do ministério foi tomada por Dilma sem a anuência de Alfredo Nascimento, deixando evidente que o ministro já não gozava da confiança dela.

Qual a razão para o que transpareceu como mais um recuo de Dilma, que tem se notabilizado por falar forte num primeiro momento para, em seguida, ceder às circunstâncias?

Se a presidente lhe desse a chance de uma conversa franca, coisa que não faz, Temer a aconselharia a agir primeiro e falar depois.

Partindo do princípio de que a presidente costuma fazer o oposto, o comando do PMDB levanta a hipótese de Dilma ter hesitado na última hora, na conversa com o ministro depois de publicada a reportagem da revista Veja relatando as ilegalidades e de tomada a decisão de afastar os auxiliares de Nascimento.

Seja como for, ele terá de administrar sua sobrevida praticamente sozinho. O Planalto não vai ajudar e tampouco poderá contar com auxílio do PT e do PMDB, entre outros motivos porque acham que ele está na corda bamba, condenado.

Mas há um complicador. Muito provavelmente Dilma não demitiu o ministro para amenizar o confronto com o PR, Valdemar da Costa Neto e a expertise desse pessoal no trato privado da coisa pública.

O partido, ao menos por enquanto, tem a vaga preservada. Quanto a outros poderes de fogo convém não esquecer de que o último que se sentiu alvo dentro do governo era de partido aliado (PTB) e deflagrou o escândalo do mensalão.

Pode ser que sim, pode ser que não. Mas gatos escaldados, sabemos bem o temor que têm até da água fria.

Sinalizador. Fato é que o ministro da Defesa, Nelson Jobim, não desmentiu a interpretação de que fazia uma comparação com Dilma quando elogiou Fernando Henrique por nunca ter levantado "a voz para ninguém".

A assessoria do Palácio do Planalto divulgou que o ministro "iria" à presidente "explicar o mal-entendido". Não se sabe se foi ou se não foi, se explicou ou não se explicou.

Fato é que Jobim está profundamente contrariado com o esvaziamento da pasta e com o tratamento que recebe da presidente.

Não só ele, mas um grupo expressivo do PMDB que, não demora, incorre em arroubo semelhante.

Espuma. O governador Sérgio Cabral Filho poderia seguir a Constituição, o Código Penal e o estatuto do servidor público, mas preferiu adotar como regra para sua administração o Código de Ética da Presidência da República.

Um conjunto de normas indicativas coordenadas por uma comissão de alcance meramente consultivo, o código não "pegou" como, de resto, demonstra a rotina de malfeitorias impunes.

Sem poder punitivo de fato, desde sua criação o código não serviu para coisa alguma a não ser para advertências inócuas e, em alguns casos, para produzir atestados de inocência, como no recente episódio envolvendo Antonio Palocci.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.