Megaoperação da PM no Rio provoca mal-estar

O anúncio, por parte do comando da PM, da realização de uma megaoperação, nesta segunda-feira, no Estado do Rio, provocou mal-estar e críticas do secretário estadual de Segurança Pública coronel, Josias Quintal.De acordo com a polícia, quatro mil homens realizaram blitzen em 300 morros e favelas da cidade.O resultado, anunciado na noite desta segunda-feira, foi de três pessoas mortas em conflito com a PM na Favela Antares, em Santa Cruz, zona oeste, e 27 pessoas detidas, além da apreensão de 20 armas, 438 papelotes de cocaína, 402 trouxinhas de maconha e um quilo da droga prensada. Sete veículos roubados foram recuperados.Até o fim da tarde desta segunda, porém, a polícia não foi vista em importantes favelas do Rio, incluindo as de Santa Teresa e do Catumbi, área central da cidade, onde a guerra entre traficantes assustou moradores por mais de três horas na noite deste domingo.Josias Quintal condenou o anúncio prévio da operação, observando que esse procedimento compromete os resultados e coloca em risco a integridade dos policiais.Ele também discordou da classificação "mega" e recomendou ao comandante-geral da PM, coronel Wilton Ribeiro, que reavalie as futuras comunicações feitas pelo serviço de relações públicas da corporação.

Agencia Estado,

01 de outubro de 2001 | 21h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.