Megaoperação no Rio para prender assassinos de policiais

As Polícias Civil e Militar montaram nesta quarta-feira megaoperações em quatro favelas da Região Metropolitana do Rio em busca dos traficantes que mataram três policiais nos últimos cinco dias. Só a Polícia Civil mandou 90 agentes. Um dos assassinos e outros sete suspeitos foram detidos. De madrugada, mais um policial foi vítima das ações dos criminosos: durante tiroteio em Santa Teresa, no centro da capital, o PM Robson Américo da Silva foi ferido no braço e no tórax. Ele está em estado grave.Com o intuito de prender os assassinos do inspetor José Antônio Leal Corrêa, de 42 anos, morto no sábado de carnaval, começou de manhã a Operação Estrela, Noventa policiais percorreram os morros Matriz, São João e Sampaio, todos no Engenho Novo, bairro da zona norte da capitalonde ocorreu o crime. O traficante Leonardo Rodrigues dos Santos, o Leo, de 24 anos, foi preso e confessou o crime, segundo a polícia. O inspetor, que trabalhava no gabinete da Chefia de Polícia Civil, estava em seu carro com a mulher, quando foi identificado e levou vários tiros na cabeça. O chefe de Polícia, Álvaro Lins, justificou a operação: ?O policial, que defende a sociedade e enfrenta o perigo, precisa de uma proteção maior da sua instituição, porque, se esses marginais têm disposição para matar um policial que sequer esboçou reação, imagine o que eles podem fazer com o cidadão comum.? Policiais civis e militares fizeram uma varredura na Favela do Dique, em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, à procura dos criminosos que fuzilaram o soldado da PM Carlos Roosevelt Salles da Mota, de 22 anos, e o cabo Eduardo Silveira do Nascimento, de 38, na madrugada deterça-feira. Eles foram executados dentro de um carro da polícia, na Avenida Automóvel Clube, perto da favela. Os autores dos disparos não foram encontrados.TiroteioDe madrugada, a Linha Vermelha, uma das principais vias expressas da cidade, voltou a ser interditada por causa da violência. Traficantes da favela Parque das Missões, em Cordovil, na zona norte, atiraram contra um carro do Batalhão de Policiamento de Vias Expressas (BPVE), quepatrulhava a via. O veículo teve o vidro traseiro estilhaçado, mas niguém ficou ferido. O trânsito foi interrompido por dez minutos. Ainda de madrugada, PMs trocaram tiros com três ocupantes de uma Fiat na Avenida Bento Ribeiro Dantas, na Ilha do Governador, zona norte. Segundo a polícia, os criminosos fugiram em direção ao Complexo da Maré, mas abandonaram o carro. Uma britadeira compacta e um compressor foram encontrados dentro do veículo. A polícia acredita que o material seria utilizado para arrombar caixas eletrônicos. À tarde, em Bangu 2, presos fizeram quatro agentes reféns durante uma rebelião que durou uma hora e meia. Eles protestaram contra o fim de regalias na unidade. Um preso e um agente ficaram feridos. Mais cedo, foi presa no complexo Patrícia da Costa Velho Vieira, de 46 anos, flagrada tentando entrar no presídio Moniz Sodré com 200 gramas de cocaína. A droga estava escondida num absorvente higiênico. Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.