Megaoperação policial prende mais de 2 mil pessoas

Pelo menos 2 mil pessoas foram presas em todo o Brasil nesta sexta-feira, numa megaoperação deflagrada em 25 Estados e no Distrito Federal. Cerca de 30 mil delegados e investigadores foram às ruas atrás de ladrões, seqüestradores, falsários, homicidas, estupradores e outros criminosos. A maioria das prisões aconteceu em São Paulo, com 1.894 detidos. No Rio, 54 pessoas foram presas; No Espírito Santo, a polícia deteve 74 acusados. Com os presídios capixabas lotados, muitos presos tiveram que ficar trancados em veículos. No Distrito Federal, 43 pessoas foram detidas. Minas Gerais, o único Estado a não participar da ação, informou que preferiu fazer em separado suas próprias ações contra o crime.Foi a primeira operação do gênero na histórias das polícias estaduais no País. Foi também a maior ação policial já realizada no Brasil. ?A idéia era articular as várias polícias, dar motivação e aproximá-las da população?, afirmou o delegado delegado-geral da Polícia Civil de São Paulo, Mário Jordão. Um dos idealizadores da ação, ele é o presidente do Conselho Nacional de Delegados Gerais de Polícia. Foi em sua eleição para o cargo, há 45 dias, que surgiu a idéia de unir em um mesmo dias ações de todas as Polícias Civis do País.A ação da polícia não foi dirigida contra uma quadrilha específica, mas contra dezenas de grupos criminosos investigados pelas Polícias Civis. Em São Paulo, cada delegacia planejou sua operação para que todos participassem do esforço coordenado pela Delegacia Geral de Polícia Civil. No Rio, dois mil policiais foram mobilizados, inclusive homens que estavam de folga. Apenas na Favela Parque Alegria, no Complexo da Maré (zona norte) houve tiroteio, mas sem feridos.Um balanço parcial, divulgado por volta das 19 horas, contabilizava 54 pessoas presas (31 com mandado e as demais em flagrante), 11 menores apreendidos, 17 armas de fogo, além de munição, explosivos, drogas, veículos e objetos roubados. A polícia apreendeu a contabilidade do tráfico de drogas nas favelas da Rocinha e do Morro do Adeus. Segundo o diretor de Polícia da Capital, Sérgio Caldas, a operação reduziu pela metade o número de ocorrências registradas nas delegacias do estado.MorteSegundo a polícia paulista, três pessoas morreram após resistirem à abordagem dos policiais. Entre os detidos em São Paulo, 773 foram liberados após assinaram termos circunstanciados porque cometeram crimes que não são considerados graves. Também foram apreendidos 219 menores. Foram feitos 583 flagrantes e recapturados 257 fugitivos. Também foram cumpridos 1.395 mandados de busca e apreensão e 70 estabelecimentos comerciais fechados. Dos 36.554 veículos vistoriados, 1.634 foram apreendidos. Ao todo, 49.297 pessoas foram abordadas no Estado. Foram apreendidas 257 armas, 322 kg de drogas, além de 640.606 objetos.Uma das pessoas que foi morta após reagir a abordagem dos policiais foi Anderson Barros Santana, acusado de chefiar uma quadrilha que roubava laptops no Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo. Ele foi rendido por volta das 8h30 pelos policiais da delegacia do aeroporto na Rua Doutor Gustavo da Veiga, no Jardim Miriam, também na zona sul. Ao reagir à prisão, Santana começou um tiroteio e acabou sendo baleado. Ele foi encaminhado ao pronto-socorro Sabóia, mas não resistiu aos ferimentos. Na casa dele, foram apreendidos laptops roubados e uma moto, que policiais acreditam ser o veículo usado por Santana nos crimes. Outros EstadosNo Mato Grosso, ao menos 130 pessoas foram presas acusadas de homicídios, furtos, porte ilegal de armas e tráfico de drogas. Na operação, que provocou superlotação nos Presídios do Carumbé e Pascoal Ramos, em Cuiabá, também foram apreendidas 12 armas. Mato Grosso tem um déficit de 3.300 vagas no sistema penitenciário.No Distrito Federal, foram presas 43 pessoas condenadas por homicídios que se encontravam foragidas. A operação mobilizou 246 policiais e abrangeu todas as cidades satélites, onde vivem mais de 2 milhões de habitantes.Em Curitiba, foram presas 29 pessoas, mas a maior comemoração dos policiais foi a prisão de Dirceu Jacobi, de 29 anos, acusado de homicídio, tortura e cárcere privado de sua companheira, de 20 anos, por nove meses. A moça foi encontrada no dia 16 em uma casa de Colombo, na região metropolitana de Curitiba, bastante debilitada, pesando apenas 35 quilos, com ferimentos pelo corpo e os cabelos cortados. Em Salvador, foram feitas 24 prisões em cumprimento a mandados de prisão em aberto (na maioria dos casos, por envolvimento em assassinatos e em assaltos e furtos), 48 detenções em flagrante e apreensão de 16 adolescentes infratores, também em flagrante. Além disso, os policiais apreenderam 24 armas, oito quilos de maconha, um quilo de crack e 500 gramas de cocaína, além de 11 veículos ilegais.No Rio Grande do Sul, 63 pessoas foram presas só nesta semana. Também foram recuperados 20 veículos roubados e apreendidos 4,5 mil CDs e DVDs piratas e 21 armas. No Espírito Santo foram cumpridos 58 de 555 mandatos de segurança contra acusados de homicídio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.