Ministério Público de Minas Gerais / Divulgação
Ministério Público de Minas Gerais / Divulgação

Megaoperação prende 170 suspeitos de integrar facções criminosas em Minas Gerais

'O Regresso' mira alvos foragidos da Justiça e acusados de crimes de homicídio, latrocínio, tráfico de drogas e associação criminosa

Paulo Roberto Netto, O Estado de S.Paulo

03 Julho 2018 | 13h20

SÃO PAULO - O Ministério Público de Minas Gerais, em parceria com as polícias civil e militar, cumpriu mais de 170 mandados de prisão em todo o Estado na manhã desta terça-feira, 3. Batizada "O Regresso", a megaoperação mira suspeitos de integrar facções criminosas que estavam foragidos da Justiça ou haviam evadido o sistema prisional mineiro.

+ PCC ordena atentados simultâneos em RN e MG e põe outros Estados em alerta

Segundo o promotor de justiça e coordenador do Centro de Apoio das Promotorias Criminais do Ministério Público Henrique Nogueira Macedo, os setores de inteligência das duas polícias realizam trabalhos de monitoramento, identificação e localização dos suspeitos em todas as 19 regiões integradas de segurança pública do Estado. As investigações começaram em abril e tinham como prioridade levar à prisão alvos envolvidos em crimes graves que continuavam ativos em Minas Gerais. Alguns mandados já haviam sido cumpridos, mas a maioria das prisões foi efetuada nesta manhã.

+ Governo de MG associa ataques a bloqueadores de celular em presídios

"Tivemos o cuidado de selecionar crimes graves, então a maior parte deles são de homicídios e latrocínios", disse Macedo. "Depois, seguimos o critério de atualidade a partir de informes das policiais civil e militar que informavam que os alvos ainda se dedicavam à prática criminosa."

Até o fim da manhã, a Polícia Civil informa que foram cumpridos 174 mandados de prisão em todo o Estado - a maioria por crimes de homicídio, roubo, latrocínio, tráfico de drogas e associação criminosa. Batizada "O Regresso", a operação também mira alvos que já tiveram passagens pelo sistema prisional mineiro. O balanço de reincidentes, no entanto, ainda não foi divulgado pelo Ministério Público.

+ Mais de 80 pessoas foram presas por suspeita de incendiar ônibus em MG

Segundo Macedo, o trabalho de monitoramento de suspeitos continuará a ser realizada pelas forças de segurança pública. "Hoje não é o único dia da operação. Outros alvos continuam a ser monitorados e a operação seguirá em andamento com as polícias militar e civil", disse.

+ Ação contra o PCC expõe ordens para matar agentes públicos

Prisões. O Ministério Público informou que a maioria das prisões cumpridas nesta terça são de caráter preventiva por se tratar de mandados de recaptura. Há também casos de prisões temporárias e por condenação criminal. Alguns suspeitos foram detidos em flagrante durante o cumprimento dos mandados.

"Não se trata do cumprimento de prisões por pensão alimentícia. Se tratam de alvos contumazes na prática de crimes violentos", disse o Superintendente de Investigação e Polícia Judiciária Carlos Capristano, da Polícia Civil.

+ Cartas no esgoto deram base à investigação contra o PCC

Devido ao grande número de detidos, a Secretaria de Administração Prisional de Minas Gerais (Seap) foi notificada. Apesar do Estado enfrentar problemas de superlotação em alguns presídios, o Ministério Público garantiu que a transferência dos detentos não enfrentará problemas. "Adotamos todas as medidas para que essa população ingressassem sem maiores transtornos dentro do sistema prisional", disse Macedo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.