Meirelles descobre que ainda tem muito a aprender no PMDB

Meirelles descobre que ainda tem muito a aprender no PMDB

Bastidores:

João Domingos, O Estado de S.Paulo

06 de abril de 2010 | 00h00

Preocupado em evitar qualquer tipo de problema interno que possa atrapalhá-lo no caminho de vice da petista Dilma Rousseff, o presidente do PMDB, Michel Temer (SP), procurou o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, no domingo à noite. Temer fez um apelo para que Meirelles continue a integrar a equipe de peemedebistas que está preparando um programa de governo do PMDB, a ser apresentado à Executiva do partido em maio. Posteriormente, a proposta será entregue a Dilma, que ontem confirmou ser o PMDB o dono da vice.

Como a disputa entre Temer e Meirelles para integrar a chapa de Dilma causou fissuras, havia até o temor de que o presidente do BC se retirasse da equipe escolhida para fazer o programa. Além de Meirelles, o time peemedebista tem o ministro Nelson Jobim (Defesa), o ex-ministro Mangabeira Unger, o vice-presidente da Caixa, Moreira Franco, e o ex-deputado Delfim Netto.

Na conversa com Meirelles, Temer disse que jamais tentou atrapalhar sua carreira. Afirmou ainda que não teve nada que ver com a resistência do partido em torná-lo o candidato a vice.

Antes de concluir que não conseguiria a vaga de vice, Meirelles teve várias conversas com Temer, sempre na expectativa de ver um gesto de apoio por parte do presidente do PMDB. Este, no entanto, jamais veio, apesar dos esforços do presidente Lula em abrir o caminho para Meirelles.

Na terça-feira que antecedeu a saída de dez ministros - só Meirelles tomou a decisão depois, assim mesmo quando viu que não tinha como avançar em suas pretensões - o presidente do BC e Temer tiveram duas reuniões. Uma, à tarde, logo depois de conversar com Lula; outra, à noite, esta na presença dos peemedebistas mais importantes, como Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR), Valdir Raupp (RO), Eunício Oliveira (CE), Moreira Franco, Edison Lobão (MA) e Henrique Eduardo Alves (RN). Nas conversas, Meirelles teve seu batismo de fogo no PMDB. Percebeu que ainda precisa aprender muito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.