Lourival Sant?Anna/Estadão
Lourival Sant?Anna/Estadão

'Melhor iniciativa é garantir que se mantenham vivos', diz secretário sobre sírios no Brasil

Comitê de Refugiados terá uma reunião no próximo dia 21 para avaliar a concessão de vistos especiais e outras "eventuais medidas"

O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2015 | 11h00

SÃO PAULO - O secretário Nacional de Justiça e presidente do Comitê Nacional para os Refugiados, Beto Vasconcelos, afirmou, em entrevista à Rádio Estadão, que a melhor iniciativa que o Brasil tem tomado pelos refugiados sírios é garantir a eles o direito de "se manterem vivos". De acordo com reportagem publicada pelo Estado neste domingo, o País já concede mais vistos de refugiados a sírios que países europeus, com 2.077 vistos.

"O refugiado é aquele que não só, como todos nós, busca melhor oportunidade de vida, mas busca oportunidade de se manter vivo. E o Brasil, com a história de receptividade,  uma história construída em fluxos migratórios, uma sociedade miscigenada, tem toda condição de recebê-los", disse o secretário.

De acordo com o secretário, o  Comitê de Refugiados terá uma reunião no próximo dia 21 para avaliar a concessão de vistos especiais e outras "eventuais medidas" que possam ser implementadas pelo governo federal. Os refugiados que entram no País têm direito a documentação civil e de trabalho, além de acesso aos sistemas públicos de saúde e educação. 

De acordo com Vasconcelos, não há uma cota específica de refugiados no País. "Não trabalhamos com cota, mas com capacidade de processamento e obtenção de documentação", explicou, mas sem divulgar qual capacidade seria esta. Disse ainda que hoje o Brasil tem oferecido atendimento aos refugiados em parceria com os governos estaduais e municipais, além de entidades da iniciativa privada e da sociedade civil que trabalham com o tema. "O contingente de pessoas (refugiados) crescem na cidade de São Paulo, no Rio e em Brasília", afirmou.

Ouça a entrevista completa.

Mais conteúdo sobre:
refugiados síria visto

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.