Melhor que JK: 80 anos em 8

Ex e atuais ministros fazem discursos enaltecendo gestão do presidente

João Domingos, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2010 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi homenageado ontem com discursos que não só o qualificaram como o maior estadista que o Brasil já teve como chegaram ao ponto de quase santificá-lo.

Falando em nome dos ex-ministros, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), que foi ministro do Trabalho, pôs o presidente à frente de Juscelino Kubitschek. "Os 8 anos de seu mandato valeram 80 anos", disse. JK cunhou o slogan "50 anos em 5" para falar da rápida industrialização do Brasil durante seu mandato. "O senhor é o líder dos oprimidos", prosseguiu Wagner. "Seu maior legado não foi a infraestrutura. Foi devolver a autoestima ao povo brasileiro, que hoje está feliz."

Por fim, Wagner usou um bordão de Lula para elogiar o presidente. "Nunca antes na história desse País um presidente registrou em cartório o que fez. Essa é sua marca", disse. O presidente não resistiu: passou a mão no olho direito e, depois, no esquerdo para enxugar as lágrimas.

O ministro da Comunicação Social, Franklin Martins, que falou em nome dos atuais ministros, fez discurso parecido. Disse que o surpreendente em Lula foi o fato de ter a capacidade de dizer "não", "por que não" e "sim, nós podemos". Segundo Franklin, Lula disse "não" à falta de democracia e passou a lutar por ampliá-la sempre. "Ele é capaz de perguntar: Por que não podemos ter três refeições por dia?" E prosseguiu:"O Brasil aprendeu a se respeitar e descobriu que pode fazer seu próprio destino. O Brasil aprendeu a andar com as próprias pernas", Para Franklin, Lula "é o estadista que mudou a cara política do Brasil, porque disse: sim, nós podemos, podemos fazer mais".

Ao dirigir-se à presidente eleita, Dilma Rousseff, Franklin terminou dizendo que ela tem uma enorme responsabilidade: fazer um governo "melhor que o de Lula".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.