Melhoram os índices de aprovação de Marta Suplicy

Em seis meses, a prefeita Marta Suplicy (PT) inaugurou 17 Centros Educacionais Unificados (CEUs) e colocou em operação o primeiro Passa-Rápido (substituto dos corredores de ônibus), que liga o centro a Lapa e Pirituba. Com essa agenda, recuperou parte do desgaste, sofrido principalmente nos 12 meses anteriores a este semestre, e hoje a gestão é considerada boa ou ótima por 28,2% dos eleitores, segundo pesquisa feita pelo InformEstado e Instituto GPP de Planejamento. A reprovação de Marta, a 10 meses da eleição, caiu de 39,4% para 27,4% em um semestre. A pesquisa é encomendada pelo Estado a cada seis meses. Na anterior, feita em junho, Marta teve o pior desempenho da gestão: apenas 18,7% dos entrevistados optaram pelas avaliações boa ou ótima e 76,7% disseram que não votariam na prefeita. Esse número caiu para 70,9%, enquanto a quantidade de eleitores que pretendem digitar 13 na urna eletrônica, em outubro, subiu de 23,2% para 28,8%. O porcentual de paulistanos que consideram a gestão regular cresceu de 41,3% para 44,4%. O principal sinal de que a tática da prefeita para recuperar a imagem surtiu efeito é o ranking de melhores e piores áreas da gestão. É a quinta vez que educação é a mais bem avaliada, mas a distância em relação às demais aumentou. Um terço dos entrevistados, 33%, indicou o setor, enquanto 24,6% escolheram transportes e 12,5%, limpeza urbana. As três áreas têm se alternado na liderança da lista desde o início da gestão. Transportes, porém, nunca chegou ao primeiro posto e, ao mesmo tempo, se destaca entre as piores áreas. Por três vezes, incluindo as duas pesquisas anteriores, foi a que obteve o pior desempenho. Agora, ocupa a terceira posição, com 13,7%, atrás de segurança (17,7%) e saúde (19,5%), líder da lista pela segunda vez. Visibilidade"Educação e transportes são áreas em que as mudanças são visíveis para a população. Muitas regiões da cidade tinham pouca ou nenhuma cobertura da Prefeitura e passaram a ter agora com os CEUs", explica a professora Vera Chaia, do Departamento de Política da PUC-SP. "Marta enfrentou com valentia os empresários de ônibus e as greves. Embora tenha tido um início caótico, ela conseguiu mostrar presença e determinação num item importante para as pessoas." Para o cientista político Rubens Figueiredo, a melhora ocorreu porque Marta vinha do pior período da gestão, ainda desgastada pela criação de taxas e constantes greves de motoristas de ônibus. "Para quem quer a reeleição, a aprovação de 28% ainda é modesta. O ideal para um candidato a segundo mandato é ter aval de 45%, sem contar os que consideram a gestão regular." Figueiredo observa que, apesar disso, Marta é uma candidata forte, que tem o apoio do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e uma estrutura partidária organizada. "Além disso, conta com uma marca consolidada, que são os CEUs." A Prefeitura obteve acesso aos principais dados da pesquisa, mas preferiu não comentar os resultados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.