Membros do PCC continuarão em presídio gaúcho

Transferência dos criminosos para SP foi pedida, mas não aceita; criminosos cumpriram penas integrais no RS

Walmaro Paz, especial para o Estado

05 de março de 2008 | 18h56

Os 25 apenados condenados por terem escavado um túnel para roubar a agência matriz do Banrisul, em 2006 cumprirão a integralidade de sua pena no Rio Grande do Sul. A informação é do diretor da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe), Bruno Trindade. Ele informou que foi pedida ao Poder Judiciário a transferência para São Paulo dos criminosos acusados de participarem do Primeiro Comando da Capital (PCC), porém não foi aceita. A Justiça alegou que eles foram presos, julgados e condenados por crimes cometidos no Estado e é onde deverão cumprir suas penas na integralidade.   Eles estão condenados a penas que variam entre quatro e 11 anos e estão alojados na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc), onde ficarão até haver a progressão da pena. Nesta mesma prisão estava um dos líderes do PCC, Carlos Antônio da Silva, o "Balengo" que fugiu no último dia 27 quando teve sua transferência para o Instituto Penal Mariante, em Venâncio Aires, onde permaneceu apenas 12 horas.   Trindade disse ainda que não será aberta sindicância para apurar a fuga de Carlos Antônio da Silva, o "Balengo". Apenas cinco agentes são os responsáveis pela segurança de 200 presos naquela instituição, todos com progressão de pena por bom comportamento.

Tudo o que sabemos sobre:
PCCpresídio gaúcho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.