Mendes adia decisão e pede esclarecimentos sobre caso Battisti

Ministro não toma decisão definitiva sobre o pedido de arquivamento do processo de extradição do italiano

Mariângela Galluci, de O Estado de S. Paulo,

16 de janeiro de 2009 | 16h19

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, encaminhou à Procuradoria Geral da República o recurso em que os advogados do foragido italiano Cesare Battisti pedem sua libertação e pediu um parecer sobre o caso. Gilmar Mendes, que responde pelo Supremo Tribunal durante o período de férias dos ministros, estava analisando o pedido dos advogados de Battisti, e sua resposta era aguardada para esta sexta-feira, 16, mas ele preferiu não tomar uma decisão sem antes ouvir a avaliação do Ministério Público, a qual pode demorar vários dias para ser encaminhada ao STF.   Veja também: Decisão do Brasil é soberana, afirma Lula Battisti diz que recebeu com 'alívio' decisão de Genro  Suplicy defende asilo a Battisti; Sarkozy conversou com Lula   Ideologia não influenciou concessão de refúgio, diz Tarso   Processo do Ministério Público que defere extradição de Battisti  Itália chama embaixador brasileiro e reclama de asilo a Battisti Governo italiano apela a Lula para rever refúgio dado a escritor   Battisti é autor de romances policiais na França      Battisti, ex-integrante de grupo de extrema esquerda em seu país, é acusado de ter sido mandante de quatro assassinatos na Itália. Na quarta-feira, 14, o ministro da Justiça, Tarso Genro, lhe concedeu o status de refugiado político no Brasil, e os advogados do italiano protocolarem no STF um pedido de libertação dele.   Quando se preparava para julgar, no ano passado, o pedido oficial italiano de extradição de Battisti, o Supremo Tribunal pediu um parecer ao procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza. Em março, o procurador opinou a favor da extradição e disse que os crimes imputados ao ex-ativista "parecem marcados por certa frieza e desprezo pela vida humana."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.