Menina baleada volta ao hospital e não tem previsão de alta

Depois de voltar ao hospital na tarde de quinta-feira, 15, por conta de uma febre, Priscila Aprígio, de 13 anos, não tem previsão de alta, segundo boletim médico divulgado na manhã desta sexta-feira, 16, pelo Hospital Alvorada. Depois de passar por uma séria de exames, os médicos disseram que Priscila está com uma infecção no trajeto feito pela bala. Priscila ficou paraplégica depois de ser atingida por uma bala perdida em Moema, na zona sul, no dia 28 de fevereiro. Dois dias depois de deixar o hospital, Priscila foi internada novamente na quinta-feira, quando deu entrada às 19h15, com quadro de febre; ela está consciente, orientada e sendo tratada a base de antibióticos. Priscila recebeu alta no início da tarde de terça-feira, 13, já andando sozinha em uma cadeira de rodas. Na ocasião, o hospital informou que a adolescente tinha condições de sair da entidade desde a última quinta-feira, 8, mas os familiares não quiseram levá-la para casa enquanto não tiveram certeza de que a jovem teria a assistência adequada. O Itaú informou que vai arcar com as despesas de uma reforma para adaptar a casa da adolescente às suas necessidades e, na terça-feira, removeu Priscila para uma acomodação próxima ao Hospital das Clínicas, onde ela passará por tratamento de reabilitação com a equipe Doutora Linamara Rizzo Battistela.Priscila ainda receberá uma bolsa de estudos para curso universitário nas mesmas condições oferecidas às crianças e jovens que participam de projetos da Fundação Itaú Social. Ainda segundo o Itaú, o objetivo da bolsa de estudos é "incentivar a adolescente na superação do lamentável episódio".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.