Reprodução Google Street View
Reprodução Google Street View

Menina de 13 anos é estuprada por pai e irmão no Ceará

Menina está grávida de três meses por conta dos abusos e passará por exames para detectar a paternidade da criança

Lauriberto Braga, especial para O Estado

04 Outubro 2017 | 15h11

FORTALEZA - Um jovem de 19 anos foi preso na terça-feira, 3, em Guaiúba, região metropolitana de Fortaleza, pelo estupro da irmã de 13 anos. 

O pai da jovem, um homem de 32 anos, foi preso no sábado, 30, pelo mesmo crime. A menina está grávida de três meses por conta dos abusos e passará por exames para detectar a paternidade da criança. O caso gerou revolta entre os habitantes da cidade, que ameaçam linchar os acusados.

+++ Homem é preso após ejacular no braço de mulher em trem no Rio

O caso foi revelado por uma denúncia do Conselho Tutelar ao delegado metropolitano de Guaiúba, Francisco Cavalcante. As investigações começaram no final de maio e culminaram com as prisões.

+++ Polícia investiga estupro coletivo de adolescentes durante rodeio em Cunha

Pai e filho estão presos na Delegacia Metropolitana de Guiaúba e vão responder a processo por estupro de vulnerável, ameaças e espancamentos. Os dois podem pegar até 15 anos de prisão em regime fechado.

+++ Metrô de SP é condenado a indenizar em R$ 30 mil passageira perfurada por seringa

A menina está numa casa alugada pela prefeitura com a mãe e outros familiares. O Conselho Tutelar da cidade acompanha o caso. Segundo o conselheiro tutelar Gláucio Prudêncio, a vítima passa bem. "A menina está bem, na medida do possível, e ficou aliviada com a prisão do pai e do irmão". Ela está recebendo ajuda psicológica no Centro de Referência Especializado de Assistência Social da cidade.

O irmão não morava na casa da família, mas visitava a irmã uma vez por mês e passou a abusar sexualmente dela este ano. O pai, que abusava da filha desde que ela tinha oito anos de idade, teve ciúmes do filho e o ameaçou de morte, segundo nota da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social.

Em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente, a reportagem opta por não revelar os nomes dos envolvidos no caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.