Menina de 8 anos é morta com 2 tiros no Rio

Uma menina de oito anos morreu na noite de sábado com dois tiros nas costas próximo à quadra da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, no Complexo da Mangueira, morro na zona Norte da cidade. Passista mirim da Mangueira do Amanhã, integrada por crianças da comunidade, Lucinéia Gomes Alves, também chamada de Dulcinéia, saiu de casa para ir ao ensaio da escola catar latas de cerveja e refrigerante para vender. Segundo moradores, ela foi atingida ao entrar em um bar. A menina, ainda chegou a ser levada com vida para o Hospital Central do Exército (HCE), mas não resistiu aos ferimentos. A Polícia Militar informou que nenhuma operação foi feita na madrugada de sábado no Morro da Mangueira. Familiares e moradores, porém, não descartam a hipótese de tiroteio, porque cerca de seis tiros foram ouvidos no local segundos antes de Dulcinéia ser atingida. O padrasto da menina, Demétrius Cunha dos Santos, de 34 anos, disse não poder acusar a polícia ou os traficantes do morro pela morte de sua enteada. No momento em que a garota foi baleada, Santos estava trabalhando como manobrista, estacionando carros das pessoas que seguiam para o ensaio na quadra da Mangueira. Apesar de prudente, o padrasto disse acreditar que os exames de balística e necropsia apontem os responsáveis pelo disparos. Dulcinéia, de oito anos, era a filha mais nova dos cinco filhos da empregada doméstica Lúcia Helena Gomes, de 33 anos. A Estação Primeira de Mangueira divulgou uma nota lamentando a morte da menina. No texto, a agremiação ressalta que a garota não estava no ensaio da escola. "Essa fatalidade ocorreu distante da quadra da escola e de sua redondeza tratando-se de mais um lamentável ato de violência nos dias de hoje", diz a nota.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.