Menina de 9 anos abusada por padrasto em PE irá abortar

Garota está na 15ª semana da gestação, considerada de risco por causa da sua estatura; homem foi preso

Angela Lacerda, O Estado de S.Paulo

02 de março de 2009 | 18h51

Grávida de gêmeos do padrasto, uma garota de 9 anos, internada desde sexta-feira no setor de gestação de alto risco do Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP), começa nesta terça-feira, 3, a tomar medicamento abortivo, visando à interrupção da gravidez. Ela está na 15ª semana de gestação.   Veja também: CPI deve oferecer delação premiada a preso  Todas as notícias sobre pedofilia      De acordo com o IMIP, a equipe médica que a atende não tem previsão do tempo necessário para a concretização do aborto, pois isso depende da reação de cada organismo. Como a criança tem apenas 1,33 metro e pesa 33 quilos, não receberá doses fortes do medicamento.   Vítima de abuso sexual há três anos, ela correria risco de vida se levasse a gravidez adiante. O padrasto, Jaílson José da Silva, de 23 anos, está preso. Ele confessou que também abusava da enteada mais velha, de 14 anos, que tem deficiência física.   A mãe da menina grávida, Esmeralda Aparecida Bezerra, de 39 anos, autorizou o aborto. Ela convivia há três anos com Jaílson e disse desconhecer os abusos sofridos pelas filhas. Ele foi preso no dia 26 e se encontra no presídio de Pesqueira, vizinho de Alagoinha, onde morava com a companheira e as enteadas, no agreste, a 227 quilômetros do Recife.   A gestação foi descoberta na última quarta-feira,quando a menina foi levada à Casa de Saúde São José, em Pesqueira, queixando-se de enjoos, tonturas e dores de cabeça. O médico que a atendeu suspeitou de gravidez ao perceber o ventre já protuberante da criança.   Uma ultrassonografia indicou que ela esperava gêmeos. Depois da sua primeira menstruação, há quatro meses, a criança não menstruou mais. A menina recebe acompanhamento psicológico no IMIP, o que será mantido depois do aborto.

Tudo o que sabemos sobre:
pedofiliaabortoabusocrianças

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.