Menina ferida por macaca em PE terá alta nesta sexta

Animal foi recapturado durante a tarde; família da adolescente pretende entrar na Justiça contra zôo

Angela Lacerda, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2008 | 18h34

A adolescente de 13 anos, ferida no rosto na quarta-feira, 7, por uma macaca-aranha no Horto de Dois Irmãos, no Recife, terá alta nesta sexta-feira, 9. A menina, portadora de Síndrome de Down, visitava o zoológico num grupo de 30 crianças e adolescentes com deficiência mental levado ao passeio pela Associação de Deficientes de Peixinhos (Adepe), de Olinda.  Já na saída do horto, por volta do meio-dia, o animal, de 15 anos e um metro e 10 centímetros de altura, batizado de Cristina, conseguiu sair da ilha onde vivia em cativeiro, agarrou-se à menina e fez cortes no seu nariz e a arranhou na testa e pálpebra inferior esquerda, nas tentativas de se afastá-lo da criança. A garota passa bem. A macaca, que depois do incidente se escondeu em árvores próximas à ilha onde habitava, só foi recapturada por volta do meio-dia desta quinta-feira, 8. De acordo com o coordenador do Horto de Dois Irmãos, Antonio de Pádua, a dificuldade foi provocada pelos flashes e câmeras dos repórteres que acompanhavam sua recaptura. Depois de negociar com os jornalistas, que se mantiveram distantes, a macaca-aranha desceu para se servir dos alimentos colocados em uma bandeja e foi sedada por funcionários do horto. Cristina ficará de quarentena, se submeterá a exames e não mais voltará à ilha. Ficará em uma jaula. De acordo com Pádua, a espécie dos macacos-aranha é dócil e Cristina mais dócil ainda. Ela vive no horto há 10 anos. A espécie fica em pequenas ilhas porque teme a água. A lâmina d'água em volta da ilha tem cerca de 10 metros. O coordenador acredita que a macaca-aranha se assustou com algum animal - jacaré ou cobra - o que a teria motivado a enfrentar a água. Ele afirmou que ao ver a macaca, o grupo se aproximou, começou a filmar, assustando o animal, que se abraçou a Raíssa buscando proteção. Ele destacou ainda que na tentativa de fazer o animal se afastar da menina, a macaca-aranha foi agredida e lhe puxaram o rabo. Na versão da coordenadora da Adepe, Ivanise Laurentino, o animal pulou em cima da menina. "Gritamos por socorro, ninguém apareceu, quem conseguiu tirar a macaca de cima da criança foi um menino que trabalha na associação", afirmou ela. "Nunca me senti tão violentada, ao ver a macaca agarrada na menina, puxando o seu cabelo, foi como se todo o meu trabalho pela proteção dessas crianças tivesse ido por água abaixo". Justiça Ivanise adiantou que a Adepe e a família da menina vão entrar com uma ação indenizatória contra o Horto de Dois Irmãos na Justiça. Antônio de Pádua disse estar preparado para responder a qualquer questionamento. Ele afirmou te sido o primeiro incidente deste tipo a ocorrer no zoológico, que completa 70 anos em janeiro do próximo ano. A Adepe foi criada há nove anos e atende de forma voluntária a 50 portadores de deficiência mental - com idade de três a 36 anos - que vivem no bairro de Peixinhos, no município vizinho de Olinda. Todos pertencem a famílias carentes. Raíssa tem dois irmãos, sua mãe é solteira e está desempregada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.