Menina morta em pia batismal foi violentada e estrangulada

A criança assassinada sábado, 3, numa das dependências da Igreja Adventista em Joinville, Santa Catarina, foi vítima de violência sexual e morreu por estrangulamento, de acordo com o laudo do Instituto Médico-legal (IML), divulgado nesta segunda-feira, 5. Gabrielli Cristina Eichholz, com um ano e oito meses, tinha ido à igreja junto com um casal de primos na manhã de sábado, para assistir a um culto. Ao final da cerimônia, deram falta da menina. "Anunciamos ao microfone que havia uma criança perdida, procura daqui, procura dali, de repente alguém a encontrou na pia de batismo, já praticamente sem vida", relata o pastor Isac dos Santos. O que chama a atenção é que havia cerca de 200 pessoas na igreja naquela hora e ninguém viu nem ouviu nada. O tanque batismal onde Gabrielli foi encontrada fica a poucos metros do salão onde se realizava o culto. A menina tinha marcas no pescoço.As investigações prosseguiram durante esta segunda-feira, 5, mas o delegado encarregado do caso, Rodrigo Gusso, ainda não tem nada de concreto para divulgar. A única coisa certa é que o criminoso agiu muito rápido e conseguiu impedir que a criança chorasse ou gritasse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.