Menina seqüestrada em Campinas é libertada

Uma menina de dois anos de idade foi libertada do cativeiro por policiais da Delegacia Anti-Seqüestros de Campinas (Deas), ontem à noite. Seis pessoas foram detidas, três delas na casa utilizada como cativeiro, no Jardim Campineiro. A criança havia sido seqüestrada no domingo passado. O delegado adjunto da Deas, Edson Jorge Haidar, disse que a família não chegou a pagar o resgate.Um sétimo suspeito do crime foi identificado e está sendo procurado pelos policiais. No domingo, três homens invadiram a casa da família da menina, no Jardim Santa Clara, em Campinas, roubaram eletrodomésticos e levaram a criança, avisando que entrariam em contato pedindo o resgate. Chegaram a pedir à família R$ 20 mil para libertar a refém.De acordo com o delegado, os investigadores da Deas conseguiram localizar três suspeitos. Dois menores de 16 anos e Claudinei Rogério da Silva, de 20, foram detidos e, a partir do interrogatório deles, a Deas chegou a dois possíveis cativeiros, conforme Haidar. Ele contou que no primeiro, no Jardim São Marcos, em Campinas, havia indícios de que o local tinha sido abandonado às pressas. Os investigadores foram até o segundo possível cativeiro, no Jardim Campineiro, também em Campinas, e encontraram a menina num quartinho escuro, nos fundos da casa. A criança estava bem e ilesa, afirmou o delegado. Na casa foram presos Ricardo Csuka de Menezes, de 19 anos, Romilda Inácio Loiola, de 48, e a moradora Letícia Maria Silva Lourenço, de 36. Valdenir Luiz de Freitas, de 20 anos, é o sétimo suspeito, ainda não localizado pela polícia. Segundo Haidar, alguns dos suspeitos tinham passagem pela polícia por roubo e tráfico de drogas. Ele contou que os três ocupantes do imóvel negaram o crime a princípio, antes de a polícia encontrar a menina. "Chamou a atenção o seqüestro de uma criança tão pequena", comentou, acrescentando que não há indícios para ligar os acusados a outros casos de seqüestros. Os detidos foram indiciados por extorsão mediante seqüestro, roubo e formação de quadrilha. A localização da menina ocorreu ontem, por volta das 20 horas. Segundo Haidar, 17 investigadores participaram do caso, além dele e do delegado titular Joel dos Santos. Haidar não quis comentar se há outros seqüestros em andamento na região.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.