Meningite matou 32 pessoas no Rio

Trinta e duas pessoas morreram de meningite meningocócica na cidade do Rio este ano. Ao todo, foram notificados 120 casos da doença desde janeiro. Na sexta-feira, foi confirmada a morte de Aline dos Santos Metzger, de 17 anos, que morava em Realengo, na zona norte. A Secretaria Municipal da Saúde, porém, afasta a hipótese de epidemia. O número de mortes no primeiro semestre de 2002 já supera os 30 óbitos registrados no ano passado. De acordo com a coordenadora de Epidemiologia da secretaria, Meri Baran, os casos de meningite notificados estão dentro do esperado nesta época do ano - normalmente, ocorre crescimento do número de doentes no inverno, em razão da maior aglomeração em ambientes fechados e do aumento de doenças respiratórias que propiciam a transmissão da bactéria.A meningite meningocócica é tratada com antibiótico. Existe uma vacina cubana contra o meningococo B - predominante na cidade - que tem eficácia de 70% em pessoas acima de 4 anos e de 30% em crianças abaixo de 4 anos. De acordo com a secretaria, a vacina não faz parte do calendário de vacinação de rotina dos postos municipais porque a imunidade produzida por ela é de curta duração (em média 2 anos). Seria indicada somente em caso de epidemia.A bactéria Neisseria meningitidis, também conhecida como meningococo, é transmitida através de contato íntimo com doentes ou portadores por meio de gotículas de saliva quando a pessoa fala, tosse ou espirra - o período de vida ao ar livre é de apenas alguns segundos. Quando a pessoa se contamina, a bactéria se aloja e inflama a meninge, membrana que envolve o cérebro. Entretanto, existem pessoas que, apesar de serem portadoras da bactéria, não desenvolvem a doença, mas podem transmiti-la. Os sintomas da meningite são: febre, dor de cabeça, vômito, rigidez de nuca, convulsões, sonolência, manchas no corpo e distúrbios dos níveis de consciência. Ao perceber um desses sintomas, a pessoa deve procurar imediatamente um médico.Na quarta-feira, Meri fará uma palestra na Escola Municipal Soares Pereira, no Maracanã, para esclarecer pais e alunos sobre a doença. Segundo ela, equipes de especialistas estão medicando pessoas que tiveram contato íntimo com doentes para evitar o surgimento de novos casos. Está prevista ainda a distribuição de folhetos informativos sobre a transmissão, os sintomas e a prevenção da doença.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.