Menino atacado por tigre em zoológico em Cascavel tem alta

Garoto de 11 anos teve o braço direito amputado na altura do ombro e deve voltar nesta quinta-feira para São Paulo com a família

Miguel Portela , Especial para o Estado

06 Agosto 2014 | 21h44

CASCAVEL - Após uma semana, o menino de 11 anos atacado por um tigre no zoológico de Cascavel, região oeste do Paraná, recebeu alta nesta quarta-feira, 6, por volta das 18 horas. Ele estava internado na ala pediátrica do Hospital Universitário da cidade. 

Segundo a assessoria do hospital, o garoto foi acompanhado por uma equipe médica formada por diversos especialistas, entre eles ortopedistas, pediatras e psicólogos. O garoto, que teve o braço direito amputado na altura do ombro, deixou o hospital por uma saída nos fundos do prédio. 

A mãe do menino, Mônica Carvalho, informou que nesta quinta-feira, 7, voltará para São Paulo, onde a família mora. "Ele está bem, está se virando sozinho. Agora é concluir a recuperação em casa", disse. Segundo ela, o temor do filho era que o tigre fosse sacrificado, hipótese que sequer chegou a ser discutida pelo zoológico, mas foi debatida nas redes sociais. 

Antes de retornar para São Paulo, o menino será submetido a exame de corpo de delito no Instituto Médico-Legal em Cascavel. 

Animal. Nesta terça-feira, 5, o tigre, chamado de Hu, voltou a ser exposto aos visitantes no zoológico de Cascavel, depois de cinco dias de confinamento. De acordo com a direção do zoo, a medida foi preventiva.

Também nesta terça, o delegado Denis Merino, responsável pelo inquérito, ouviu o depoimento de quatro funcionários do zoológico. Até sexta-feira, 8, outras testemunhas devem prestar esclarecimentos. A expectativa é pelo depoimento do pai do garoto, Marcos do Carmo Rocha. No dia do acidente, ele chegou a ser detido pela polícia, mas foi liberado depois de prestar esclarecimentos sobre o acidente. 

Mais conteúdo sobre:
Tigrezoo de cascavel

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.