Menino de 2 anos morre após pai deixá-lo no carro por 5 horas

Bancário levaria criança para escola na sexta-feira, mas alegou que a esqueceu presa em cadeirinha no banco traseiro por cinco horas; vítima foi socorrida, mas morreu no hospítal

Fátima Lessa, Especial para o Estado ,

14 Dezembro 2013 | 17h09

Cuiabá - Uma criança de 2 anos morreu horas depois de ser esquecida no assento traseiro do carro da família na sexta-feira, 13, na capital de Mato Grosso.  Em depoimento à Polícia, o pai, um bancário de 46 anos, disse que a criança ficou cerca de 5 horas dentro do carro.  A criança ainda foi socorrida pelo Serviço de Atendimento de Urgência (SMU) mas morreu na noite do mesmo dia.

O pai disse à polícia que acreditava que tinha deixado a criança na escola que fica aproximadamente a 200 metros da agência bancária onde trabalha.

Na sexta-feira, ele levou o filho à escola.  O bancário colocou a cadeirinha presa ao assento traseiro do carro da família com a intenção de deixá-lo na escola e em seguida ir para a agência. E, segundo a assessoria da Polícia, ele não se lembrou de deixar o menino na escola e foi direto para o banco.

De acordo com depoimento à delegada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), Anaíde Barros, ele disse que nos últimos dias sua vida tinha passado por situações fora do normal com a presença de parentes em sua residência. Na véspera do acidente, ele não levou seu filho à escola.

Repetidas vezes, ele, como se estivesse  em estado de alucinação, repetia à  delegada  “que não se lembrava” de ter deixado a criança presa dentro do carro, enquanto descrevia a cena do momento em que percebeu que não tinha levado o seu filho à escola.  E, ainda de acordo com depoimento à polícia, ele no fim do expediente "foi buscar a criança no colégio que fica perto de seu serviço e chegou a descer do carro, mas logo percebeu que não tinha deixado o menino na escola, voltou imediatamente para o veículo e já viu o pequeno com a cabeça baixa e com vomito pelo corpo", contou a delegada.

Diante da situação ele acionou  o SAMU, que chegou ainda prestar atendimento à criança e a levou ao Pronto-Socorro de Cuiabá. A criança não resistiu e morreu à noite.

A delegada disse que não indiciou o pai por por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. A delegada afirma que no  Código Penal  existe o “perdão judicial, quando a dor da perda é maior do que a punição”.

Segundo a delegada, o caso será encaminhado para a  Delegacia Especializada de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente (Deddica).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.