Wilson Dias/ AGÊNCIA BRASIL
Wilson Dias/ AGÊNCIA BRASIL

'Fiz uma metáfora contra ideologia de gênero', diz Damares sobre vídeo

Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos afirmou, em vídeo, que começou uma "nova era" no Brasil e que "menino veste azul e menina veste rosa"

André Borges, O Estado de S. Paulo

03 Janeiro 2019 | 14h51
Atualizado 04 Janeiro 2019 | 12h24

SÃO PAULO - Um vídeo que circula nas redes sociais mostra Damares Alves, ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos do governo Jair Bolsonaro (PSL), afirmando que "menino veste azul e menina veste rosa". Aplaudida por apoiadores, ela diz ainda que o País vive uma "nova era".

Damares reagiu à publicação e, ao Estado, disse que seu objetivo foi, de fato, fazer uma declaração contra a “ideologia de gênero”, referindo-se à sexualidade das crianças. “Fiz uma metáfora contra a ideologia de gênero, mas meninos e meninas podem vestir azul, rosa, colorido, enfim, da forma que se sentirem melhores.”

O vídeo, segundo a assessoria de comunicação de Damares Alves, foi gravado logo após o fim de seu discurso de posse, realizado nessa quarta, 2, , em Brasília (DF). Damares recebia um grupo de apoiadores em uma sala no ministério. Ela pede atenção do grupo que a acompanha e diz a frase. Após aplausos e gritos de apoio, a ministra repete: "Atenção, atenção. É uma nova era no Brasil. Menino veste azul e menina veste rosa".

Além de ser compartilhado nas redes sociais, o vídeo foi divulgado em uma página do Twitter que se intitula apoiadora da ministra.


Em sua fala durante a posse, Damares reafirmou que pretende acabar com o “abuso da doutrinação ideológica de crianças e adolescentes no Brasil” e que “a revolução está apenas começando”.

A ministra afirmou que seu governo vai se voltar para políticas públicas “que priorizem a vida desde a concepção”, ou seja, desde a fecundação do óvulo, deixando clara a sua posição contra o aborto. “No que depender do governo, sangue inocente não será derramado neste País. Este é o ministério da vida”, disse, em seu discurso. 

Damares tomou posse nesta quarta-feira, 2, e declarou ainda que vai governar com "princípios cristãos", sempre priorizando a família. "O Estado é laico, mas esta ministra é terrivelmente cristã", disse. "Acredito nos desígnios de Deus e propósitos de Deus."

Professora do Departamento de Ciências Sociais da Universidade Federal de Viçosa, Daniela Rezende afirma que esse tipo de declaração “reforça a divisão entre homens e mulheres” e contribui para aumentar as desigualdades. Esse movimento de defesa da heterossexualidade e da família tradicional, diz ela, tem crescido também nos Estados Unidos e na Europa.

"Por trás disso, está uma defesa da heterossexualidade, do enfrentamento dos direitos da população LGBT e defesa da família tradicional, composta por pai, mãe e filhos. É um bordão que fixa valores tradicionais para o masculino e o feminino."

Princesas

Em dezembro, Damares havia feito comentário semelhante ao defender uma “contrarrevolução cultural”. “No momento em que coloco a menina igual o menino na escola, o menino vai pensar: ela é igual, então pode levar porrada. Não, a menina é diferente do menino. Vamos tratar meninas como princesas e meninos como príncipes.”/COLABOROU PAULA FELIX

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.