Meninos que encontraram pitbulls curtem fama em favela

Além de R$ 250 de recompensa e da inclusão no recém-lançado programa Os Suipinhas, da União Internacional Protetora dos Animais (Suipa), os sete cachorros da raça pitbull encontrados na segunda-feira, na favela do Jacarezinho, zona norte, renderam popularidade para os seus salvadores, um grupo de quatro garotos da comunidade. Pelo menos é o que pensa um deles, Fabrício Andrade da Silva, de 11 anos. Durante a entrega do prêmio, nesta tarde, ele puxou o braço da presidente da entidade, Izabel Cristina Nascimento, e anunciou, orgulhoso: "Eu sou famoso".Por mais de uma hora, Fabrício testou a paciência dos sete cães. Ele abraçou os animais inúmeras vezes durante a sessão de fotos, repetindo o gesto dos amigos Joelson Bastos Machado, de 8 anos, Patrick da Cunha Lopes e Juan Gervásio dos Santos, ambos de 12 anos, que também ajudaram a encontrar os cachorros, furtados na madrugada de segunda-feira, por cinco homens."Não tive medo de nenhum pitbull. Só um deles estranhou no começo, mas depois ficou tudo bem", afirmou, dizendo-se um conhecedor de cachorros, pois tem cinco dentro de casa.Ao contrário de Fabrício, os amigos Joelson, Patrick e Juan não têm animais de estimação, mas todos vão aprender como é importante cuidar deles. Durante uma hora por semana, permanecerão na seção de abandono da Suipa, acompanhando a rotina diária da instituição, onde vivem cerca de oito mil animais. "Espero, com o programa Os Suipinhas, que eles incentivem os colegas da comunidade no trato com os animais. Vendo como os cães chegam, como o cuidado é necessário, vão passar isso adiante", explicou Izabel, que ofereceu R$ 1 mil para tentar reaver os sete cães. Apesar de ter conseguido recuperar os animais, Izabel assegurou nesta terça-feira que não pretende dar qualquer recompensa caso um novo furto venha a ocorrer. Segundo ela, os ladrões podem ter levado os cães com a intenção de usá-los em assaltos ou em rinhas."Tudo o que eu quero agora é que a polícia desvende o caso", disse ela, que desde 1993 dirige a instituição, mantida com doações. A primeira turma de Suipinhas contou ontem estar ansiosa para o primeiro dia de experiência dentro da seção de abandono e pretendem gastar o dinheiro com roupas. Além disso, Fabrício está torcendo que a fama obtida possa trazê-lo ainda algo mais: "Sonho agora com um sítio", disse, rindo, abraçado aos amigos.Matéria alterada às 23h41 para acréscimo de imagem

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.