Menor fica refém do pai incorfomado com separação

Um menino de 13 anos de idade ficou hoje, por três horas, refém do pai, em Cubatão. O motorista Benedito Paulino da Silva foi levado para o distrito-sede do município, após horas de negociação com a polícia, quando decidiu largar o canivete e o espeto de churrasco, instrumentos com os quais ameaçava a criança. Silva estava inconformado por não ter autorização judicial para visitar o filho, dentro de casa, razão pela qual adotou uma atitude drástica, a fim de conseguir maior liberalidade por parte de Maria José Silva, mãe da vítima, de quem já está separado judicialmente há alguns meses.De acordo com o escrivão Ricardo José Siqueira Cruz, tudo começou na noite de domingo, quando Maria José consentiu que Silva visitasse J.I.P.S. e passasse a noite na casa onde reside, no jardim Costa Muniz, periferia de Cubatão. "Ontem, pela manhã, acordou por volta das 8 horas, não encontrou a mulher em casa e ficou revoltado", relata Cruz. Segundo ele, quando Maria José chegou, tentou colocá-lo fora de casa. Foi aí que Silva decidiu pegar o filho e fazê-lo de refém. "Foi preciso pelo menos duas horas de negociação entre o delegado Orlando Augusto de Souza e o motorista para que ele largasse o canivete e o espeto, instrumentos que usava para ameaçar o menor", revelou o escrivão. Depois de convencido a soltar o filho, Silva foi levado Distrito-sede onde foi elaborado um termo circunstanciado de constrangimento ilegal e ameça, e depois foi liberado. De acordo com Cruz, a polícia não sentiu em momento algum que o motorista quisesse fazer alguma coisa contra o filho. O próprio menor disse ao delegado que não se sentiu ameçado. "Deu para perceber que a intenção dele era voltar com a mulher e ter liberdade de ficar com o filho. Ele fez o circo mas percebemos que a criança estava à vontade", concluiu Cruz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.