Menor morto por policiais roubava motos por encomenda

Carlos Rodrigues Júnior, de 15 anos, foi torturado com choques eleétricos e morto por homens da PM

Jair Aceituno , Agência Estado

30 de janeiro de 2008 | 19h10

O menor Carlos Rodrigues Júnior, de 15 anos, morto por policiais militares que o torturaram com choques elétricos na madrugada de 15 de dezembro em sua própria casa, participou de pelo menos sete furtos de motos.   Serra: família de menor morto por PMs será indenizada   A afirmação é do delegado Abel Fernando Marques de Abreu, da Delegacia de Infância e Juventude (Diju), com base no depoimento prestado por um menor de 16 anos, preso seis dias após a morte de Carlos e reconhecido como seu comparsa no furto da moto do mototaxista Adriano Diegos, encontrada no quintal da casa da vítima na madrugada de sua morte.       Segundo o delegado, o menor, que está recolhido na Fundação Casa (antiga Febem), disse que ficava na esquina, observando o movimento, enquanto Rodrigues, com uma chave "mixa", destravava a moto escolhida, ligava e, na saída, o levava na garupa.   Revelou também que as motos eram roubadas por encomenda de um receptador de Pederneiras, a 30 quilômetros de Bauru, que a polícia agora trabalha para identificar e prender.   Débora, irmã de Rodrigues, disse não acreditar que o irmão estivesse envolvido com o furto de motos e reafirmou que, mesmo que estivesse, isso não seria motivo para a polícia invadir a casa e matá-lo. Espera-se ainda para esta quinta-feira, 31, ou os próximos dias, a definição do valor da indenização que o Estado pagará à família.   O governador José Serra disse, na semana passada, quando passou por Bauru, que o montante da indenização seria conhecido "até o final do mês".

Tudo o que sabemos sobre:
baurutorturapolícia militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.