Menor se fere em "brincadeira" de roleta-russa

O menor J.R.S., de 16 anos, foi ferido com um tiro no rosto, nesta quarta-feira, no início da tarde, na Escola Estadual ?Idalina Graça do Amaral?, em Ubatuba, no litoral norte paulista. Os tiros foram disparados por um menor, identificado pela polícia apenas por J., de 17 anos.Segundo a direção da escola, os dois adolescentes não freqüentavam as aulas há dois anos, mas estavam sempre brincando na quadra da escola, porque o bairro Ipiranguinha não tem nenhuma área de lazer.?A escola fica com seus portões fechados, mas os menores pulam o muro?, disse a vice-diretora Márcia Regina Paderes. Na tarde desta quarta, os menores também pularam o muro e um deles, J., portava dois revólveres.Durante uma brincadeira de roleta russa, J. atirou no rosto do outro menor, ferindo-o na mandíbula. O tiro foi presenciado por um grupo de alunos que participava da aula de Educação Física. Ao perceber que ferira o colega, o menor autor do disparo saiu correndo e se escondeu na própria casa.A vítima foi socorrida pela direção da escola e passou por uma cirurgia na tarde desta quarta na Santa Casa de Ubatuba. A Polícia Militar encontrou o menor J. em sua casa, com as duas armas usadas na "brincadeira".Ele foi encaminhado à delegacia, onde prestou depoimento. O caso foi encaminhado à Vara da Infância e Juventude, e as armas recolhidas na polícia civil. Segundo pais de alunos que não quiseram ser identificados, a violência no bairro, embora exista um posto da Polícia Militar, vem crescendo diariamente.?A gente tem medo de deixar que as crianças brinquem na rua, e agora a violência invadiu até a escola?, disse uma das mães. Um comerciante, pai de aluno, também disse que a escola é freqüentada por traficantes, menores infratores, colocando em risco a vida dos estudantes.Para a direção da escola, o problema é também a falta de funcionários para tomar conta de todo o prédio e dos 1.530 estudantes que freqüentam a instituição de ensino diariamente.Segundo a vice-diretora, deve haver uma mobilização de professores, pais de alunos e estudantes por mais segurança na próxima semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.