Menores: CEI descobre telefonemas feitos da Câmara

Pelo menos 14 telefonemas para o garçom Walter Mafra, indicado como o agenciador de adolescentes para orgias em festas em ranchos e chácaras de Porto Ferreira, na região de Ribeirão Preto, foram feitas da Câmara. Duas adolescentes também foram contatadas pelo telefone público desde 2000. Todas essas ligações ocorreram num único dia. Isso foi levantado pela Comissão Especial de Inquérito (CEI), da Câmara, que apura o envolvimento de seis vereadores no caso de aliciamento de menores. Agora o presidente interino do Poder Legislativo de Porto Ferreira, Gilson Strozzi (PT), espera o agendamento de uma reunião com juizes e promotores para explicar a situação. Apenas seis vereadores teriam condições de votar na CEI ou pela criação de uma CP - seriam necessários oito votos para aprovações, mas quatro vereadores, ainda presos em Descalvado, não assinaram o pedido de afastamento e seus suplentes não podem assumir. Além disso, outro, libertado, não pode votar, assim como dois suspeitos, o parente de outro e o próprio Strozzi, que vota em caso de desempate. Só o presidente da Câmara, Luís César Lanzoni (PTB), que não conseguiu o habeas-corpus ontem, no Tribunal de Justiça (TJ), assinou a prorrogação de seu afastamento.Na tarde de hoje, a juíza Sueli Juarez Alonso ouviu os depoimentos de sete pessoas, entre testemunhas e parentes das meninas, com a presença dos acusados, detidos desde o final de agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.