Mentira acaba em morte por engano e revolta cidade

Uma mentira contada por um empregado que temia perder o emprego acabou provocando a morte de um adolescente e revoltou a população de Capão da Canoa, uma cidade praiana de 30 mil habitantes no Rio Grande do Sul. No domingo à tarde, o comerciário Daniel Roger Lopes, 25 anos, abriu a loja de motos onde trabalha e três adolescentes entraram para ver e um deles deixou uma moto cair. Com medo de perder o emprego, Lopes ligou para os donos da loja contando que sofrera uma tentativa de assalto. A mentira, confessada depois pelo comerciário, fez os donos da revenda, Carlos Saturnino Soares e o filho Carlos Saturnino Soares Júnior, saírem em perseguição aos jovens. Cristiano Alves Anes, de 16 anos, foi atingido pelo veículo caiu da bicicleta. Testemunhas disseram que ele foi agredido com um taco de beisebol. Revoltada com a morte do adolescente, cerca de 1,5 mil pessoas depredaram a loja, queimaram cinco motocicletas e um automóvel e enfrentaram a polícia em distúrbios que só terminaram na madrugada de segunda-feira. Ao final do conflito, doze policiais foram atendidos no hospital com ferimentos leves. Ninguém foi preso. O empresário e a família saíram da cidade.

Agencia Estado,

30 Junho 2003 | 18h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.