Mercadante ainda tenta aliança com o PTB

Petista quer fechar novas coligações e elogia Chalita (PSB), cotado para entrar na chapa como candidato ao Senado, ao lado de Marta

Flávia Tavares, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2010 | 00h00

Seguindo o tom ditado pelo Planalto, o pré-candidato do PT ao governo do Estado de São Paulo, Aloizio Mercadante, afirmou que prefere "aguardar o desdobramento da investigação e não fazer pré-julgamentos" sobre as denúncias de envolvimento com a máfia chinesa que atingem o secretário nacional de Justiça, Romeu Tuma Júnior.

Em evento com lideranças do partido em Barueri, na Grande São Paulo, Mercadante afirmou que o episódio não deve atrapalhar uma possível aproximação com o senador Romeu Tuma, do PTB, que procura uma chapa para se lançar candidato à reeleição, depois que o PSDB decidiu lançar Aloysio Nunes e Orestes Quércia (PMDB). "Nunca fizemos aliança com o PTB. Mas há uma insatisfação muito grande pelo tratamento que foi dado ao senador Romeu Tuma nesse processo", disse o petista.

Mercadante reafirmou o discurso que vem dando nas últimas semanas, de que as portas estão abertas para quaisquer alianças - sendo que um novo partido deve ser anunciado na coligação na próxima semana. Elogiou inclusive o vereador Gabriel Chalita, do PSB, que também é cotado para entrar na chapa como candidato ao Senado, ao lado de Marta Suplicy.

No entanto, desde quinta-feira, o pré-candidato ao governo anda pelo Estado com Netinho (PCdoB) a seu lado. "Em Brasília, temos a figura do nobre senador. Com Netinho, teremos o mano senador", repetiu Mercadante ontem nos eventos de sua agenda em Itapevi, Jandira, Barueri e Carapicuíba, onde Netinho cresceu e começou sua carreira de pagodeiro.

Galanteios. "O Chalita é um nome que tem força eleitoral, tem biografia para disputar um cargo majoritário, assim como o Netinho, que tem talento, uma história de êxito e vai representar muito bem a periferia", cortejou Mercadante. Nos encontros com lideranças partidárias e sindicalistas onde estiveram, foram recebidos e se referiram um ao outro como companheiros de chapa.

Em Barueri, Netinho declarou, depois de elogiar "o rango muito bom": "o Senado é um sonho que quero realizar, mas também é meu sonho tornar Mercadante nosso governador". Pregou a continuidade do governo Lula e criticou "o governo dos 3Ps dos tucanos: presídios, pedágios e pedras de crack".

Mercadante retribuiu os elogios, aconselhando Netinho a "cantar" em seus discursos, que é como "as coisas colam na cabeça do povo". O pré-candidato tucano afirmou que, pela primeira vez, sente que realmente tem chances de ganhar. Para criticar o governo do PSDB, falou insistentemente em transporte (defendendo a construção do trem rápido para o interior do Estado), em segurança pública (lembrando os ataques do PCC) e em educação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.