Mercadante ataca Serra e promete trem rápido entre SP e Campinas

O senador Aloizio Mercadante (PT) prometeu nesta terça-feira dar prioridade total à criação de uma linha de trem de alta velocidade entre os municípios de São Paulo e Campinas, caso venha a ser eleito na disputa pelo governo paulista. O candidato petista , que tratou do tema dos transportes apenas um dia após o ex-prefeito de São Paulo, José Serra (PSDB), ter apresentado suas próprias sugestões para esta área, aproveitou para atacar seu principal adversário e criticar a política do governo anterior neste segmento."O que ele (Serra) fez não são propostas", disse o senador, em referência às afirmações de Serra sobre a necessidade de melhorar a qualidade dos trens da CPTM. Ontem, ao lado do candidato tucano à presidência e ex-governador do Estado, Geraldo Alckmin, Serra também falou sobre a ampliação da linha F, que segundo ele seria transformada em um metrô de superfície. "Eles ficaram oito anos em São Paulo e não fizeram nada pelo transporte ferroviário", acrescentou o petista. Mercadante disse ainda que, diferentemente de seu adversário, está propondo projetos estruturantes para o Estado e não apenas comentando a necessidade de recuperação de equipamentos já existentes. "Estou propondo mudanças muito mais profundas."O projeto ferroviário proposto hoje por Mercadante foi sugerido durante o governo Alckmin mas acabou engavetado, segundo o senador. Ele explicou que a idéia é criar um trem que trafegaria a uma velocidade de 160 km/h entre os municípios de São Paulo e Campinas. Com o sistema, seria possível transportar inicialmente 38,2 mil pessoas por dia neste trecho, um número que pode ser elevado em 8% anualmente com o aumento da quantidade de trens em circulação, até atingir 60,2 mil. Segundo dados fornecidos pelo senador, 54,1 mil passageiros são transportados a cada dia neste trajeto. A viagem custaria aos passageiros R$ 12,60.Ainda segundo Mercadante, este projeto poderia ficar pronto em quatro anos, a um custo total de R$ 2,7 bilhões. Destes, R$ 2 bilhões seriam gastos na construção da estrutura, enquanto R$ 700 milhões seriam destinados a material rodante. Para aplicar a proposta, o governo se utilizaria do sistema de parceria público-privada (PPP). O senador petista também afirmou que a arrecadação de impostos a partir desse sistema chegaria a R$ 767 milhões. "Este projeto será uma prioridade no meu governo", garantiu o senador.Projeto ferroviário Rio - São PauloMercadante acrescentou que tem a intenção de negociar uma parceria entre governos federal, de São Paulo e Rio de Janeiro para um outro projeto ferroviário, dessa vez interligando São Paulo e Rio de Janeiro. Também nesse caso, o candidato petista propõe o sistema de PPP, mas insiste que uma promessa nesse sentido só seria possível com o comprometimento de todas essas esferas governamentais. Nesse caso, segundo Mercadante, a implantação da linha de trem custaria US$ 8 bilhões, ficaria pronto em 7 anos, e permitiria que o trajeto entre as duas cidades seja feito em uma hora e meia. A tarifa seria de US$ 50 (R$ 115).Mercadante esclareceu que projetos como esses são fundamentais para solucionar problemas relacionados à viabilidade viária em São Paulo. Ele insistiu na necessidade de concluir o Rodoanel mas apontou que, quando isso ocorrer, o trânsito em São Paulo também terá piorado em decorrência da venda crescente de novos veículos. Essas sugestões, segundo ele, também aparecem como uma ferramenta para reduzir a concentração urbana no município de São Paulo, permitindo que a população viva em cidades vizinhas e trabalhe na capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.