Mercadante cobra de Berzoini participação em sua campanha

O candidato do PT ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, cobrou, durante visita a Ribeirão Preto (SP), maior participação do presidente nacional do partido, Ricardo Berzoini, na campanha paulista. Segundo Mercadante, esse foi o tema do encontro de ontem entre os dois."Com o Berzoini nós estamos discutindo mais a relação entre a campanha estadual e a federal. Ele tem ficado muito pouco em São Paulo por causa da coordenação da campanha (à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva); de estar acompanhado o presidente, das reuniões e nós precisamos azeitar esse relacionamento", disse Mercadante.O senador afirmou que negocia ainda com o presidente nacional do PT o detalhamento da agenda que Lula irá cumprir em São Paulo, possivelmente apenas na capital, nos próximos dias 4 e 5 de agosto. "Nós temos agenda com o presidente dias e estamos detalhando-a e construindo como serão as atividades de campanha", completou.O candidato do PT ao governo paulista reclamou também da cobertura da imprensa para a campanha ao governo paulista, ao contrário do que ocorre, na opinião dele, com a do governo federal. "As atenções estão concentradas para o quadro nacional, que tem grande cobertura de imprensa", concluiu.PesquisaMercadante, comparou seu desempenho na pesquisa Ibope divulgada ontem ao cenário de 2002, na campanha ao Senado. O instituto de pesquisas aponta Mercadante em segundo lugar, com 13% das intenções de voto e o seu principal adversário, José Serra (PSDB), com 46%. O tucano vence a eleição no primeiro turno."Em julho de 2002, a expectativa era a mesma; tinham dois candidatos praticamente eleitos por todas as pesquisas de opinião e quando abriram as urnas eu tive 10,5 milhões de votos e fui o senador mais votado da história de São Paulo", disse Mercadante, que superou à época Romeu Tuma (PFL) e Orestes Quércia (PMDB).Apesar de o desempenho de Serra garantir a vitória ainda no primeiro turno e de 62% dos eleitores acreditarem, segundo o Ibope, que o tucano será o próximo governador paulista, Mercadante avalia que o atual quadro é preliminar e que a campanha deve ganhar as ruas após o dia 15 de agosto, quando começa o horário eleitoral gratuito.Ausência de Palocci Mercadante, que faz campanha Ribeirão Preto e em cidades vizinhas ao lado de dois candidatos a deputado federal da região - Beto Cangussu e Gilmar Dominci -, evitou comentários à ausência do ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci, também candidato a federal. "O Palocci tem de ver como vai reconstruir o projeto pessoal e merece a minha solidariedade", concluiu o senador, que visita ainda hoje as cidades de Serrana, Morro Agudo e Guaíra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.