Mercadante defende mais investimentos no interior de SP

O candidato do PT ao governo de São Paulo, senador Aloizio Mercadante, defendeu neste domingo maiores investimentos no interior de São Paulo. Depois de analisar alguns estudos, ele percebeu que está ocorrendo uma diminuição da população no oeste paulista nos últimos 10 anos. Para o senador, a predominância da cultura da cana nessa região desestimula a criação de uma nova economia e é papel do governo do Estado mudar essa realidade. Outro motivo que, segundo o candidato, contribuiu para esse esvaziamento do interior foi a construção de 23 presídios nessa região. "Em algumas cidades, a população carcerária é maior que a da própria cidade", afirmou, após participar da gravação do programa Canal Livre, da Rede Bandeirantes. O programa que vai ao ar na noite deste domingo deveria contar com a presença de José Serra, candidato do PSDB ao governo do Estado, em um dos blocos. Mas ele alegou problemas na agenda e não aceitou o convite.Mercadante, que é economista, defendeu mão firme do governo estadual na guerra fiscal. "Na área econômica houve um baixo crescimento no período de 1996 a 2003 em São Paulo. De acordo com o IBGE, nesse período São Paulo cresceu 17,9% na indústria enquanto os outros Estados cresceram cerca de 65,9%, em média"."Perdemos indústrias para outros Estados porque o governo do PSDB não encarou a guerra fiscal. Parte da indústria têxtil de Americana foi para o Mato Grosso do Sul, por exemplo", concluiu.SegurançaDurante o programa, Mercadante afirmou que só com uma mudança no governo estadual, há 12 anos com PSDB e PFL, é que a crise de segurança será superada. O senador criticou a postura dos tucanos na questão da segurança, que, segundo ele, "não deram a ela a atenção necessária". O senador, contudo, voltou a elogiar o governador Cláudio Lembo. "O governador deixou de lado as divergências políticas e partidárias e valorizou o povo de São Paulo", disse, lembrando que o governador classificou de leviana a associação que José Serra fez entre o PT e o PCC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.