Mercadante invade tempo de deputados

Nas inserções de TV levadas ao ar ontem, no lugar dos aspirantes parlamentares, é a imagem do candidato a governador do PT que aparece

Adriana Carranca, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2010 | 00h00

Com 2,4 minutos a menos que o tucano Geraldo Alckmin, seu principal adversário, o candidato petista ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, abocanhou parte do tempo destinado à disputa para deputado federal no horário eleitoral gratuito.

Nas inserções de TV levadas ao ar ontem, Mercadante pede votos ao PT, prática permitida pela legislação eleitoral. Logo em seguida à fala do candidato petista, porém, um vídeo dispara críticas ao aumento de praças de cobrança e do preço dos pedágios em São Paulo. O tema é uma das bandeiras da campanha de Mercadante, repetido à exaustão em seus discursos. A propaganda começa com a fala de uma apresentadora: "O Brasil avançou e São Paulo podia acompanhar", diz, em mais uma referência à gestão do PSDB em São Paulo.

O mesmo formato se repetirá hoje, no horário destinado à disputa para deputado estadual. No total, Mercadante adiciona pelo menos 3 minutos ao tempo de TV. Somados aos 4,16 minutos que tem no horário reservado à campanha estadual, totaliza 7,16 minutos - mais do que os 6,56 minutos de Alckmin.

"Os deputados estaduais cederam tempo. Naturalmente, nós aproveitamos para marcar a imagem de Mercadante, mas ele aparece pedindo votos ao PT", diz o coordenador da campanha do petista, Emídio de Souza. A estratégia, segundo ele, é atrair mais votos na legenda, além de aumentar a exposição do petista na TV.

Sobre as críticas aos pedágios, o presidente do PT-SP, Edinho Silva, argumenta serem as mesmas dos candidatos a deputado. "Ao invés de mostrarmos várias inserções picadas sobre o problema, somamos o tempo para falar melhor da mesma preocupação, comum a todos. Os temas citados fazem parte de um projeto comum do partido", diz.

Enquanto abocanha parte do tempo dos candidatos a deputado, Mercadante cede espaço em seu programa à estrela maior do PT: o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Seguindo o mesmo formato da propaganda da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, Lula pedirá aos eleitores paulistas que deem "uma chance" a Mercadante. "Se vocês derem a ele a mesma chance que deram para mim, São Paulo vai ter muito orgulho disso", dirá Lula. Os dois vão protagonizar um bate-papo entre "compadres". Gravadas separadamente, a fala de um complementa a do outro.

A propaganda mostrará que a história de Mercadante se cruza com a de Lula. No vídeo, eles recordam momentos compartilhados na política e "em 30 anos de amizade". Sem gravata, Mercadante deixa de lado o parlamentar e acadêmico e põe em cena o "amigo do Lula". Ao explorar os 78% de aprovação do presidente, o comando do PT-SP espera conseguir minimizar o recall de Alckmin, duas vezes deputado federal, vice-governador e governador entre 2000 e 2006. O tucano lidera as pesquisas de intenção de voto, com chances de vencer no primeiro turno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.