Mercadante promete reduzir tarifa de pedágios

RIBEIRÃO PRETO

Gustavo Porto, Brás Henrique, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2010 | 00h00

Em clima de campanha durante visita à Agrishow, em Ribeirão Preto, o pré-candidato do PT ao governo de São Paulo, senador Aloizio Mercadante, fez duras críticas às políticas públicas dos tucanos e prometeu pedágio mais barato no Estado. "As tarifas em São Paulo são sete vezes mais caras do que as de outros pedágios do Brasil", disse, acrescentando que pretende reduzir os pedágios das rodovias administradas por concessionárias.

Acompanhado das pré-candidatas petistas à Presidência, Dilma Rousseff, e ao Senado, Marta Suplicy, além do deputado Antônio Palocci (SP), Mercadante falou sobre o problema da segurança pública no Estado, um dos calcanhares de Aquiles do governo tucano segundo os petistas.

Ao lembrar da recente orientação do governo norte-americano para que os turistas evitem visitar a Baixada Santista por conta da onda de violência na região, desabafou. "Isso é uma agressão direta", afirmou, referindo-se aos turistas. "Vamos valorizar a polícia de São Paulo e fazer o que o governo Lula fez com a Polícia Federal."

Conselhos. Mercadante criticou a falta de políticas de incentivo ao desenvolvimento regional e prometeu criar conselhos específicos para cada região paulista. Ele também considera possível a extensão do trem de alta velocidade entre Rio de Janeiro e Campinas até Ribeirão Preto.

O senador lembrou a aliança comandada pelo PT com oito partidos de oposição que, segundo ele, dará boas condições para a disputa da eleição em São Paulo. Em 2006, ele teve 32% dos votos e foi derrotado no primeiro turno pelo então governador de São Paulo José Serra (PSDB).

Na opinião de Marta Suplicy, ainda há esperança de um acordo entre PT e PSB para a disputa eleitoral no Estado. Sobre seu eventual companheiro de chapa ao Senado, Marta acredita que deve vir do próprio PSB, com Gabriel Chalita, ou do PC do B, com Netinho de Paula.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.