Mercadante reage com promessas para interior

'Interiorização do desenvolvimento', mediante criação de subgovernadorias, com[br]representação política e orçamento próprios em cada região, é o aceno do petista

Adriana Carranca, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2010 | 00h00

O PT já traçou estratégia para conquistar o eleitorado do interior, reduto tucano. Enquanto Geraldo Alckmin (PSDB) prepara ofensiva na Grande São Paulo, o chamado "cinturão vermelho" petista, e promete criar a pasta dos assuntos metropolitanos, o candidato do PT, Aloizio Mercadante, contra-ataca com plano de "interiorização do desenvolvimento".

A proposta: criar subgovernadorias, equivalentes às subprefeituras, com representação política e orçamento próprio em cada região do Estado. "A ideia de criar núcleos, os conselhos de desenvolvimento econômico e social, e descentralizar o orçamento é dar mais poder e autonomia às regiões", disse Mercadante, ontem. "A capital tem 35% do PIB enquanto 443 cidades do interior concentram apenas 5%. Os jovens estão migrando por falta de oportunidade: 218 cidades tiveram taxa demográfica negativa. Esse esvaziamento não faz sentido."

Segundo Mercadante, é preciso "regionalizar" o orçamento estadual. Ele prometeu criar agência de fomento e um fundo de financiamento para o interior, aumentar os incentivos fiscais, baixar tarifas do pedágio e renovar o transporte ferroviário.

Em discurso para empresários portugueses, durante almoço na capital, Mercadante aproveitou para divulgar os feitos do governo Lula e alfinetar os tucanos. "São Paulo perdeu participação no PIB nos últimos anos, perdeu o Banespa e a Nossa Caixa."

Para ele, a atitude do governo tucano frente à guerra fiscal com outros Estados foi "passiva e subordinada". "Precisamos levar ao interior a mesma pujança que o País vive e não mais o Estado com essa timidez e lentidão que nos faz perder espaço na economia mundial e oportunidades."

Mercadante disse que confia "no voto" do interior. "Essas prefeituras estão incomodadas com o abuso dos pedágios, com a falta de opções de transporte." E destacou programas federais como o Minha Casa, Minha Vida. "O que deu certo no Brasil do governo Lula pode dar certo em São Paulo."

Marta. Ele também falou do processo aberto pelo Ministério Público para investigar suposto crime de improbidade administrativa de Marta Suplicy durante sua gestão como prefeita de São Paulo, sinalizando motivos políticos para abertura do caso contra a candidata ao Senado do PT. "Estranho o fato de que faz seis anos que ela deixou a Prefeitura. Por que foi aparecer isso a três meses da eleição? Não é bom para a democracia essa morosidade, muito menos criar fatos ruins na véspera de uma eleição."

Argumento

ALOIZIO MERCADANTE

CANDIDATO A GOVERNADOR

"Não faz sentido o governo estadual negar parceria com a União e criar estrutura paralela. Temos de unir esforços."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.