Mesmo com racionamento, cai nível de Cotia

O racionamento de água na região de Cotia não evitou a queda do nível dos mananciais que formam o sistema responsável pelo abastecimento de 300 mil moradores de Cotia, Embu, Embu-Guaçu e Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo. Quando começou a restrição, em 17 de abril, o Sistema Alto Cotia estava com 27,8% de sua capacidade de armazenamento. Nesta quarta-feira, foi registrado 25,7% - 2,1 pontos porcentuais a menos. Os objetivos do racionamento são evitar o esvaziamento das Represas da Graça e Pedro Beicht, formadoras do Alto Cotia, e reduzir a tendência de queda de capacidade do sistema.A Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Sabesp), por meio de sua Assessoria de Comunicação, informou que o racionamento reduziu a intensidade de queda dos mananciais. Segundo a empresa, o nível do sistema estaria mais baixo se não houvesse o racionamento. Na avaliação da Sabesp, o que explica a queda dos níveis dos mananciais é a falta de chuva em quantidade suficiente para suprir a retirada de água. De 17 a 30 de abril, choveu apenas 77 milímetros no Alto Cotia. O acumulado de chuva em abril, no sistema, foi de 47,9 milímetros, muito abaixo da média histórica de 86,6 milímetros. Nos outros sistemas de abastecimento da Grande São Paulo a chuva também ficou abaixo da média.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.