Mesmo deficiente, serviço de saúde atrai estrangeiros

Se nos principais centros urbanos do País o serviço público de saúde é alvo de críticas, na faixa de fronteira esse tipo de atendimento é considerado um bem valioso pelos estrangeiros e tem até provocado fluxo migratório para o lado brasileiro.

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2010 | 00h00

O motivo é simples: quase nunca há serviço de saúde do lado de lá. Quando existe, é privado e se torna proibitivo para comunidades mais pobres.

"O sistema brasileiro de saúde pública alcança todos os municípios de fronteira. Cada prefeitura recebe recursos de acordo com a estimativa da população. De forma contrária, a maioria dos países vizinhos privatizou o sistema de saúde, o que não só o encareceu e dificultou seu acesso pela população mais pobre como reduziu presença ao seguir o critério do lucro na localização geográfica", diz o documento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.