Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE

Mesmo em férias, Lula diz conversar com Dilma

Flagrado pelo ''Estado'' ao visitar Alencar em hospital, petista se recusa a falar sobre passaportes dos filhos, mas admite contato frequente com sucessora

Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

19 de janeiro de 2011 | 00h00

Afastado do poder há 18 dias após passar a faixa para a sucessora, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse ontem estar em constante contato com a presidente Dilma Rousseff e com governadores.

Lula fez a primeira manifestação pública desde que entrou em férias após ter saído governo, ao visitar no começo da tarde o ex-vice-presidente José Alencar no hospital Sírio-Libanês.

O petista, que visitou Alencar uma única vez desde que deixou a Presidência, ficou emocionado. Segundo relato de pessoas que estiveram no encontro, os dois se abraçaram e choraram.

Lula conversou rapidamente com o Estado depois de deixar a suíte do 11.º andar, onde esteve por cerca de uma hora com Alencar, que passa por tratamento para combater um câncer.

Vestindo calça e camisa claras, Lula desfilou pelo hospital abraçando as pessoas, na companhia do cardiologista Roberto Kalil e do ministro do Supremo Tribunal Federal José Antonio Dias Toffoli. Pelo menos, quatro seguranças, em dois carros, faziam a escolta de Lula.

O ex-presidente não quis falar de política. Questionado sobre a polêmica a respeito dos passaportes diplomáticos, concedidos para seus filhos e netos, Lula foi lacônico: "Quando eu voltar de férias, eu comento."

O ex-presidente, no entanto, falou sobre o estrago das enchentes na região serrana do Rio. Disse que agora é "rezar para parar de chover". "Vejo todo dia. É indescritível. Acho que o povo do Rio não merecia isso. Acho que o ser humano não merecia isso. Lamentavelmente, mais uma vez aconteceu. E nós precisamos trabalhar para isso não acontecer mais. A minha solidariedade."

Indagado sobre o encontro que teve no domingo com a presidente Dilma em São Paulo, o ex-presidente afirmou que conversou com ela sobre a tragédia. "Tenho conversado por telefone com ela sobre esse assunto. Ela me descreveu o que viu lá. Acho que a região serrana não merecia isso, o povo brasileiro não merecia isso", repetiu o petista.

Lula disse estar acompanhando os desdobramentos da tragédia e afirmou que já conversou "duas vezes" com o governador fluminense, Sérgio Cabral (PMDB), e com o vice-governador, Luiz Fernando Pezão. "E agora é rezar para parar de chover para que a gente possa consertar, já que as vidas a gente não pode trazer de volta".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.